Beto Albuquerque, um dos nomes mais cotados para assumir o posto de vice-presidente na chapa com Marina Silva, pelo PSB, foi confirmado na tarde desta terça-feira (19), em uma reunião realizada no Recife. Albuquerque, líder do partido na Câmara, era candidato ao senado pelo Rio Grande do Sul.
Apoiado pelo PSB de Pernambuco e pela viúva de Eduardo, Renata Campos, que também foi indicada para concorrer ao pleito, o aspirante a senador era um dos aliados mais próximos ao ex-governador. Três nomes do PSB estadual eram cotados para a vaga de vice: o do deputado federal Danilo Cabral, o do ex-deputado Maurício Rands, e o do ex-ministro Fernando Bezerra Coelho, candidato ao Senado.
A decisão foi tomada após reuniões com o presidente nacional do partido, Roberto Amaral. O lançamento oficial da chapa será nesta quarta-feira (20). Marina ascendeu à presidenciável após morte do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, em acidente aéreo na última quarta-feira (13).

Desde sexta-feira, o nome de Beto passou a circular como uma opção dentro do PSB. Ele é candidato ao Senado no Rio Grande do Sul. Era um dos parlamentares mais ligados a Eduardo e foi um dos primeiros a defender a candidatura própria do partido à Presidência. Para viabilizar o projeto, Beto, que é presidente do PSB no Rio Grande do Sul, determinou a saída do partido do governo Tarso Genro (PT), criando uma situação inusitada: o vice-governador gaúcho, o pessebista Beto Grill, ficou praticamente sozinho na gestão petista.