BESSA GRILL
Início » Política » Prestes a assumir vaga na ALPB, Carlos Dunga revela mágoas com Cássio e Ricardo

Prestes a assumir vaga na ALPB, Carlos Dunga revela mágoas com Cássio e Ricardo

Suplente de senador diz que faz dois anos que foi procurado pelos "aliados"

6/02/2013 06:53

O ex-deputado federal e suplente de senadorCarlos Dunga (PTB) falou, nesta terça-feira (05), sobre a expectativa de assumir o mandato na Assembleia Legislativa da Paraíba, nos próximos dias, em substituição a Genival Mathias (PTdoB), que pode perder o mandato, em face de decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que validou os votos de Oswaldo Venâncio (Bado), referentes às eleições estaduais de 2010 e mudou o coeficiente eleitoral para o pleito daquele ano.

Em 2010, Bado disputou o cargo de deputadoestadual, mas como teve a candidatura impugnada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PB), devido a então nova Lei da “Ficha Limpa”, seus votos não foram computados. No entanto, no dia 08 de novembro do ano passado o TSE validou seus votos.

A mudança deve ocorrer por que com a validação dos votos de Bado, que disputou as eleições pela coligação PSL/PR, o coeficiente eleitoral para deputado estadual será mudado. Assim, a coligação do PTdoB, que conseguiu eleger apenas o deputado Genival Mathias, perde a vaga, que vai para Carlos Dunga, da coligação PTB/PP, que já tem a deputada Daniela Ribeiro (PP) eleita.

Na tarde de hoje, Dunga disse esperar que o acórdão do TSE seja publicado ainda esta semana, para assim o TRE-PB ser comunicado da decisão e posteriormente empossá-lo.

Indagado qual será sua postura na Casa de Epitácio Pessoa, Dunga disse que vai ouvir seus mais de 19 mil eleitores para se definir, mas revelou mágoas com o tratamento dispensado a sua pessoa pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) e o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), os quais consideravam aliados.

Dunga disse que fez parte da aliança que ajudou eleger Ricardo e Cássio, mas no passar dos anos foi esquecido.

“Vou ouvir meus eleitores e aliados. Não sei se serei da situação, espero a liderança do governo me procurar. Achava que era da situação, mas não sei se serei útil para o governo. Acho que eles não veem atrás de mim, até por que o governo tem dois anos e nem Cássio, nem Ricardo me procurou em nenhum momento”, desabafou.

Dunga também reclamou da postura do vice-governador Rômulo Gouveia (PSD). Segundo ele, Rômulo vai para a sua cidade, Boqueirão, e anda com o atual prefeito, João Paulo Segundo, filho do ex-deputado João Paulo (PMDB), “adversários de ferrenhos de Ricardo em 2010”. “O prefeito de Boqueirão foi quem mais trabalhou na cidade para derrotar o governador Ricardo Coutinho”, afirmou.

Wscom