BESSA GRILL
Início » Política » Presidente do TCE diz que órgão estará atento às novas regras

Presidente do TCE diz que órgão estará atento às novas regras

Fim do recesso no Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) reacende a expectativa quanto à análise da Prestação de Contas Anuais do governo do Estado e os 223 municípios da Paraíba

14/01/2013 08:01

TCEO fim do recesso no Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) reacende a expectativa quanto à análise da Prestação de Contas Anuais do governo do Estado e os 223 municípios da Paraíba.

Embora as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) sejam rígidas quanto ao percentual do orçamento que deve ser destinado à saúde (12%) e educação (25%) e os itens que podem ser incluídos no rol de despesas nessas áreas para atingir o montante, muitos gestores ainda insistem em incluir gastos como pagamento de lixo, construção de adutoras e barragens para que não corram o risco de sofrer processo de improbidade administrativa.
O novo presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Fábio Nogueira, no entanto, adverte que o órgão estará ainda mais atento às novas regras e os gestores devem ter mais responsabilidade com a prestação de contas. “O tribunal tem os seus parâmetros, as suas balizas, consubstanciadas no que determina a Constituição Federal e as leis infraconstitucionais.
Todos os gastos são de conhecimento público, os gestores sabem o que podem ser admitidos na educação e na saúde. De maneira que não há dúvidas quanto à questão desses gastos”, disse.
Nogueira lembra que houve um momento em que o tribunal admitia, por exemplo, em gastos com saúde as despesas com lixo. “Isso no primeiro momento, até porque a emenda constitucional que trata da questão da saúde que remeteu para uma lei complementar a definição desses gastos, só veio ser apreciada recentemente pelo Congresso Nacional”, afirmou.
Conforme a LC 141, em vigor desde janeiro de 2012, não podem ser incluídos como ações e serviços públicos de saúde, para fins de apuração dos percentuais mínimos exigidos pela LRF, não apenas os de limpeza urbana e remoção de resíduos como, por exemplo o pagamento de aposentadorias e pensões, inclusive dos servidores da saúde, de pessoal ativo da área de saúde quando em atividade alheia à referida área, comumente utilizado pelos gestores que prestaram contas antes da sanção da norma pela presidente Dilma Rousseff.
Segundo o presidente Fábio Nogueira, o tribunal evoluiu e excluiu essas despesas. “No segundo momento tivemos despesas com esgotamento sanitário, que tem efetivamente uma relação umbilical com a saúde. Todas essas questões estão disciplinadas e o tribunal de forma uniforme aplica a todos os gestores”, garantiu.
Conforme as novas regras, também estão excluídos da apuração dos percentuais mínimos exigidos pela LRF despesas com saneamento básico, inclusive quanto às ações financiadas e mantidas com recursos provenientes de taxas, tarifas ou preços públicos instituídos para essa finalidade; merenda escolar e outros programas de alimentação, ainda que executados em unidades do SUS; assistência à saúde que não atenda ao princípio de acesso universal; preservação e correção do meio ambiente, realizadas pelos órgãos de meio ambiente dos entes da Federação ou por entidades não governamentais.
Além das ações de assistência social; obras de infraestrutura, ainda que realizadas para beneficiar direta ou indiretamente a rede de saúde; e ações e serviços públicos de saúde custeados com recursos distintos dos especificados na base de cálculo definida nesta Lei Complementar ou vinculados a fundos específicos distintos daqueles da saúde.
Parlamentopb