BESSA GRILL
Início » Notícias » Presidente diz que democracia só existe quando Forças Armadas querem

Presidente diz que democracia só existe quando Forças Armadas querem

7/03/2019 21:23

O presidente Jair Bolsonaro participou na manhã desta quinta-feira (7) da cerimônia de aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais no Rio de Janeiro e fez um discurso de pouco menos de 4 minutos. Nele, falou sobre a participação dos militares na democracia e na Previdência Social. Bolsonaro abriu o discurso falando sobre a missão de governar o Brasil.

O presidente também disse que quer fazer do Brasil um país de primeiro mundo e que reconhecerá os militares neste contexto. Prometeu ainda debater uma nova “retaguarda jurídica” para os militares.

“Temos uma missão de mudar o Brasil. Esse foi nosso propósito, essa foi nossa bandeira ao longo de quatro anos andando por todo Brasil. […] O que eu quero para o senhores, meus irmãos militares. Sou do Exército brasileiro, mas tenho uma formação muito semelhante à de vocês. A minha última unidade foi a Brigada de Infantaria Paraquedista. Eu quero a vocês conversando, ouvindo, debatendo uma retaguarda jurídica para que vocês possam exercer seus trabalhos, em especial nas missões extraordinárias da tropa”, afirmou o presidente.

Reforma da Previdência

O presidente afirmou ainda que os militares precisarão fazer sacrifício com a nova reforma da Previdência, mas prometeu que as especificidades de cada uma das forças serão respeitadas.

“O que eu quero aos senhores é sacrifício também. Entraremos sim, numa nova Previdência que atingirá os militares, mas não deixaremos de lado, não esqueceremos, as especificidades de cada força”, afirmou o presidente.

O governo entregou ao Congresso, em 20 de fevereiro, uma proposta geral de reforma da Previdência, mas ela não inclui os militares. Na ocasião, o secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse que em até 30 dias o governo apresentaria um projeto com mudanças nas regras para aposentadoria dos militares.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) só deve votar a constitucionalidade da reforma da Previdência após o governo apresentar as regras para os militares.

‘Mal entendido’

A fala de Jair Bolsonaro sobre Forças Armadas e democracia gerou polêmica entre aliados e oposicionistas. Na tentativa de conter o mal-estar provocado pela declaração do presidente, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, deram declarações na tarde desta quinta-feira minimizando a fala de Bolsonaro. Os dois são generais da reserva.

Para Mourão, o presidente foi “mal interpretado” ao declarar que “democracia e liberdade só existem” quando as Forças Armadas desejam.

“O que que o presidente quis dizer? Está sendo mal interpretado. O presidente falou que onde as Forças Armadas não estão comprometidas com democracia e liberdade, esses valores morrem. É o que acontece na Venezuela. Lá, infelizmente, as Forças Armadas venezuelanas rasgaram isso aí. Foi isso que ele [Bolsonaro] quis dizer”, argumentou Mourão.

Um dos auxiliares mais próximos de Bolsonaro, Heleno também minimizou a declaração do presidente da República. Ele afirmou que não viu “nada demais” na fala do chefe do Executivo federal.

Segundo o ministro, “todo mundo sabe” que as Forças Armadas são o “baluarte da democracia e da liberdade”.

“Não achei polêmica. Não vejo nada de mais na declaração. Ele [Bolsonaro] estava fazendo um discurso para comemoração dos 111 anos do Corpo de Fuzileiros Navais e ele falou o que todo mundo sabe: as Forças Armadas são o baluarte da democracia e da liberdade. Historicamente, em todos os países do mundo”, enfatizou.

www.reporteriedoferreira.com.br G1