BESSA GRILL
Início » Política » Oposição na Assembleia ainda não tem líder

Oposição na Assembleia ainda não tem líder

Com a saída de André Gadelha, que assumiu a Prefeitura de Sousa, bancada pode iniciar trabalhos sem comando. Anísio Maia e Raniery Paulino, contudo, são cotados para ocupar o cargo

28/01/2013 16:13
NMKM-1A bancada de oposição deve iniciar o ano legislativo sem um novo líder na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB). Mas pelo menos dois nomes já estão sendo cogitados para assumir a vaga deixada por André Gadelha (PMDB): são os deputados Raniery Paulino (PMDB) e Anísio Maia (PT). No entanto, segundo o deputado Trócolli Júnior (PMDB), deve ser mesmo Raniery, pois “sairá da bancada peemedebista o nome do novo líder da oposição”.
O retorno dos trabalhos está previsto para a próxima sexta-feira com a posse da nova Mesa Diretora – o atual presidente, deputado Ricardo Marcelo, foi reeleito. Também haverá eleição para três cargos vagos com a saída dos parlamentares eleitos prefeitos.
A mudança na liderança da oposição terá que ocorrer em virtude da saída do ex-deputado André Gadelha (PMDB), que renunciou ao mandato para assumir a prefeitura do município de Sousa. Mas além do PMDB, outros partidos fazem parte da bancada de oposição, entre eles o PT, PP e PSC. O PEN, comandado pelo presidente da ALPB, Ricardo Marcelo, composto por 10 parlamentares, a maior bancada na ALPB, também está na oposição.
Para Trócolli Júnior, a decisão deveria sair antes do início do ano legislativo. Os parlamentares voltam aos trabalhos no dia 05 de fevereiro, mas antes, no dia 1º terá eleição e posse na nova Mesa Diretora. Segundo informou Trócolli, o novo líder deveria ser conhecido no dia 30.
“Já começamos a conversar sobre isso, mas é um assunto que só será definido no dia 30. Raniery está querendo ser o candidato e o PMDB está tentando ter um nome de consenso, porque o partido já tem confusão demais e não queremos ter também para discutir a liderança da oposição”, afirmou Trócolli Júnior, assegurando que o objetivo é indicar Raniery para ser o líder.
Apesar de Trócolli Júnior, o deputado Gervásio Maia (PMDB) afirmou que não tem nada combinado, já que neste período de recesso parlamentar, os deputados estão todos em suas bases, grande parte deles em cidades do Interior. “Temos que conversar com toda a bancada de oposição para ver quais nomes serão indicados”, disse.
Anísio à disposição
O petista Anísio Maia afirmou que também “emprestará” seu nome para disputar a liderança da oposição, mas assegurou que não vê problemas em ter novamente um líder vindo do PMDB. “Temos que nos reunir quando acabar o recesso para definir isso. Mas não tem problema começar o ano sem líder, pois a bancada de oposição é muito unida, bem afinada”, disse.
E continuou: “Estou emprestando meu nome para ser o líder, mas pode ser um deputado do PMDB também. Não vejo problemas nisso. Somos um grupo muito coeso e que tem várias lideranças, qualquer nome que for escolhido, será bom, mas é uma decisão que só deve sair quando voltarmos do recesso”.
PEN dividido?
O deputado estadual João Gonçalves (PEN) afirmou que buscará realizar uma reunião com a bancada do PEN na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), formada por 10 deputados, para que sejam respeitadas as diferenças de posição dentro da legenda em relação ao Governo do Estado. Segundo ele, o discurso dos oposicionistas não pode prevalecer agora, quando na sua criação, havia deputados das duas bases na sua composição.
“Acho que precisa haver uma discussão porque, internamente também no partido, as posições contrárias têm que ser respeitadas. O partido se dividia entre governistas e oposicionistas e, agora, não pode simplesmente a tese daqueles que já eram oposição prevalecer”, afirmou João Gonçalves, mantendo o discurso de que não deverá votar contrário às matérias do governo.
De acordo com o deputado, é importante que haja harmonia entre os poderes, e é isso que ele buscará fazer neste ano. “Venho defendendo a reaproximação desde o primeiro instante. Tenho dito que não interessa para mim nem para a Paraíba o desentendimento e o confronto entre qualquer poder, nem legislativo, executivo ou qualquer outro. Tem que haver harmonia e entendimento”.

Correio da Paraíba