BESSA GRILL
Início » Política » Novo partido de Marina veta doações “sujas”, mas aceita empreiteiras

Novo partido de Marina veta doações “sujas”, mas aceita empreiteiras

Fabricantes de bebidas alcoólicas, cigarros, armas e agrotóxicos estão na lista negra

16/02/2013 20:56

 

O novo partido político a ser lançado hoje pela ex-senadora Marina Silva não deseja receber doações eleitorais de empresas “sujas”. Estão excluídos fabricantes de bebidas alcoólicas, cigarros, armas e agrotóxicos.

A ideia é oferecer aos eleitores uma opção mais pura na corrida presidencial de 2014. Além de representar “um novo mundo possível”, Marina também rejeitará um certo tipo de dinheiro.

O marketing é bom, mas a pureza oferecida está pela metade.

Empreiteiras, por exemplo, ficaram fora do “índex marinista”. Em 2010, a Andrade Gutierrez doou R$ 1,1 milhão para a campanha presidencial de Marina. A Camargo Corrêa entrou com mais R$ 1 milhão.

A Andrade Gutierrez é responsável pela construção da usina nuclear Angra 3. Conclui-se, portanto, que a nova legenda aceita de bom grado dinheiro relacionado à energia nuclear –para não citar outras encrencas relacionadas a empreiteiras.

Outro exemplo é a Suzano Papel e Celulose. A empresa é muito criticada por alguns ambientalistas que a acusam de ser uma poluidora de rios. Em 2010, deu R$ 532 mil para Marina. Poderá repetir a dose em 2014.

Há mais casos. Não caberiam todos aqui. A rigor, o dinheiro de todas as grandes empresas do país será sempre incompatível com o purismo pretendido por Marina e sua nova legenda.

Essa inconsistência na fórmula de recebimento de doações não significa risco certo de fracasso para o projeto de eleger Marina presidente no ano que vem. Apenas expõe uma entre muitas fragilidades na ainda incipiente candidatura.

Para ter sucesso em 2014, Marina precisa acumular forças e vitaminar seu projeto político. Não é obrigada a ganhar o Planalto. Basta receber mais votos do que em 2010. O problema é que, quando se olha o cenário atual, essa parece ser uma missão difícil para a ex-senadora.

Blog do Fernando Rodigues/UOL