BESSA GRILL
Início » Destaque » Jornal acusa Hugo Motta de contratar empresa para vasculhar delatores

Jornal acusa Hugo Motta de contratar empresa para vasculhar delatores

No último dia 16, Júlio Camargo agravou a situação do presidente da Câmara ao confirmar o depoimento de Youssef e ao declarar que o deputado cobrou pessoalmente o repasse de US$ 5 milhões em propina, relativos aos contratos dos navios-sonda.

31/07/2015 10:37

O lobista Júlio Camargo não é o único alvo da empresa de investigações Kroll, contratada pela CPI da Petrobras. Outros três delatores da Operação Lava Jato também estão na mira da empresa. Segundo o jornal O Globo, os depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef também estão sendo vasculhados em busca de contradições que possam provocar a anulação das delações que complicaram a situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).H3W6M8-1

Youssef foi o primeiro delator a afirmar que Cunha pressionou pelo pagamento de propina a partir de contratos de aluguel de navios-sonda na Petrobras, utilizando requerimentos de investigações na Câmara. O depoimento do doleiro serviu de base para a abertura de inquérito por corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra o peemedebista no Supremo Tribunal Federal (STF).

No último dia 16, Júlio Camargo agravou a situação do presidente da Câmara ao confirmar o depoimento de Youssef e ao declarar que o deputado cobrou pessoalmente o repasse de US$ 5 milhões em propina, relativos aos contratos dos navios-sonda. A contratação da Kroll foi articulada pelo presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB), e pelo sub-relator da comissão André Moura (PSC-SE), aliados de Cunha. Os serviços da empresa já consumiram R$ 1 milhão à Câmara e serão objeto de novo aditivo, segundo o Globo.

De acordo com a reportagem, a lista de investigados pela Kroll era formada, inicialmente, por 15 nomes. Foi reduzida, em seguida, a 12. E, por fim, a quatro delatores. Os nomes, porém, são mantidos em sigilo pela CPI sob o argumento de que a revelação poderia prejudicar as apurações. Mas, segundo o jornal carioca, fontes próximas a André Moura e Hugo Motta confirmaram as investigações sobre Júlio Camargo, Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa.

O uso da Kroll para vasculhar os depoimentos de Júlio Camargo foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo, na edição de ontem. Após a divulgação da reportagem, Eduardo Cunha divulgou nota em que nega qualquer ingerência sobre a CPI e diz que a Câmara tratou apenas da “contratação administrativa” da empresa.

“Não participei, não participo nem participarei de qualquer decisão sobre investigações da CPI, que tem a sua autonomia. Rechaço com veemência as insinuações da reportagem, que beira a má-fé, tentando me colocar como autor de constrangimentos, o que, definitivamente, não posso concordar. A participação da direção da Câmara, por meio da Diretoria Geral, trata somente da contratação administrativa requerida pela CPI, nos termos de sua autonomia”, disse Cunha.

www.reporteriedoferreira.com  Congresso em Foco