BESSA GRILL
Início » Política » Fulgêncio pede ‘pressão’ da sociedade para resolver os gargalos da saúde

Fulgêncio pede ‘pressão’ da sociedade para resolver os gargalos da saúde

Novo secretário de Saúde afirmou que busca o apoio da população para ajudá-lo a identificar e resolver os problemas

15/04/2013 12:06

O novo secretário de Saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio, pediu o apoio da sociedade para tentar ajudá-lo a resolver os gargalos da saúde pública na Capital paraibana. Destemido e sem medo das pressões que irá enfrentar, ele afirmou que é injustificável que uma pasta com um orçamento de cerca de R$ 500 milhões ainda sofra com problemas como a falta de medicamentos e com o fechamento de Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Neste momento, o prefeito Luciano Cartaxo (PT) dá posse ao novo secretário Municipal de Saúde, em solenidade, no Paço Municipal. Em discurso, Adalberto Fulgêncio prometeu apresentar nos próximos cinco dias um plano emergencial para a saúde da Capital.

Ele ainda afirmou que a sociedade terá papel fundamental em sua atuação. Disse que já está por dentro do problema da distribuição de medicamentos e que já soube que uma UBS se encontra fechada pela quebra de um disjuntor elétrico. “Não se justifica num orçamento de R$ 500 milhões que se exista um PSF [na verdade, UBS] parado por conta de R$ 100”, disse.

Segundo ele, esses pequenos problemas às vezes demoram a ser resolvidos por conta do processo burocrático da administração pública ou pela falta de pressão por parte da população. “Conto com o apoio da população para criticar e reivindicar o bom funcionamento dos equipamentos públicos. Eu não temo pressão”, disse.

Dívida com o Estado

Sobre a existência de uma possível dívida de R$ 45 milhões da Prefeitura de João Pessoa com o Governo do Estado, decorrentes do repasse de verbas para os serviços de saúde, Adalberto Fulgêncio defendeu o encontro de contas proposto anteriormente pelo prefeito Luciano Cartaxo.

Segundo ele, essa questão será discutida amplamente pelas autoridades competentes das secretarias Municipal e Estadual de Saúde, sem a necessidade de judicialização da dívida.