BESSA GRILL
Início » Política » Eleições 2014; Aguinaldo diz que mantém coerência em apoio a Cássio e a Dilma

Eleições 2014; Aguinaldo diz que mantém coerência em apoio a Cássio e a Dilma

Aguinaldo falou que continuará apoiando a presidente Dilma e enfatizou, “a pior posição de um homem e de um partido é não ter posição”.

1/07/2014 18:20

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro anunciou agora a pouco, em entrevista  coletiva na sede da API, apoio a candidatura do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) ao Governo do Estado para o pleito deste ano.

Em sua fala, Aguinaldo Ribeiro disse que, “há um ano, no mês de junho o Brasil  vivia um momento diferente com os movimentos de rua. Vivi isso como ministro e no dia 24 junho passei pela primeira vez um São João longe de Campina Grande, reunido com prefeitos e governadores. A partir dali, nós do Partido Progressista (PP) fizemos essa reflexão. Onde o povo exige que tenhamos responsabilidade e coerência”.

Ele disse ainda, que sempre defendeu dentro do PP o palanque da presidente Dilma Rousseff, o mandato de deputado federal e o espaço na Assembleia Legislativa da Paraíba. “Aqui se viu mais que boi voar, nós do PP, estamos aqui para ratificar a nossa posição de coerência de permanecer no campo das oposições”, destacou o deputado.

E completou, “não teremos que explicar nada. Seguiremos na mesma posição. Muitos terão que se justificar, não para nós, mas para o povo”.

Já, no plano nacional, Aguinaldo falou que continuará apoiando a presidente Dilma e enfatizou, “a pior posição de um homem e de um partido é não ter posição”. Aguinaldo diz que mantém a coerência em apoio a Cássio e a Dilma.

O candidato ao Governo do Estado, senador Cássio Cunha Lima, em seu discurso afirmou que com essa união é possível manter a coerência.

Ele lamentou que ainda se discuta na Paraíba a política de perseguição e citou mais uma vez a perseguição ao vice-governador Rômulo Gouveia. “Nossa aliança não representa um acordo eleitoral. Já tínhamos uma parceria com o PP quando meu mandato foi interrompido em 2006”, ressaltou.

Cássio lembrou também as divergências nas eleições de 2012 entre os dois partidos, “algumas vezes dura, mas nunca desleal”, finalizou.