BESSA GRILL
Início » Destaque » Eilzo Matos lembra autenticidade e caráter de Dorgival Terceiro Neto como ilustre filho de Taperoá

Eilzo Matos lembra autenticidade e caráter de Dorgival Terceiro Neto como ilustre filho de Taperoá

Escritor analisa a trajetória do ex-governador, inclusive em pesquisas para Sousa

14/04/2013 09:26

O escritor, advogado, agropecuarista e membro da Academia Paraibana de Letras, Eilzo Matos, lembrou em artigo enviado ao portal WSCOM a trajetória retilinia do ex-governador Dorgival Terceiro Neto, homempúblico considerado por ele autentico e incorruptível.
Eis a integra do artigo:

DORGIVAL TERCEITO NETO

A minha lembrança de Dorgival Terceiro Neto sustenta-se na sua crônica de estudante no colégio de Patos, depois hóspede da Casa do Estudante em João Pessoa – quando a Paraíba começou a conhecer e admirar a fortaleza do seu caráter incorruptível. Daí pra frente a índole, o temperamento definiram o cidadão que permaneceu impoluto como convém a todos, ao homem público principalmente.

Não privei de sua convivência no período de sua vida estudantil. De uma geração, um pouqinho mais nova, e estudando no Recife, pessoalmente não o via, mas a sua legenda chegava aos meus ouvidos nas terras pernambucanas.

Era o sertanejo que não traía a fala e os hábitos. Autêntico. Conheço gente de Sousa que fala “axs coisaxs”.Tipos também chiam aqui de João Pessoa. Dá pena. Conheci Abelardo Jurema, o velho, que morou a vida toda no Rio de Janeiro e não tinha esses tiques na pronúncia. O Abelardinho pode chiar porque nasceu e criou-se no Rio. Dorgival não chiava. Mas o meu conterrâneo João Estrela falar “axs exscolaxs” faz pensar que a sua popularidade política tem aí suas raizes, porque desconheço outro mérito intelectual ou profissional que o destaque.

E como administrador público nem se fala. Antonio Mariz achava que a risada de Zé Dantas acabara a liderança de Jacob Frantz em São João do Rio do Peixe. Não encontrava outra explicação. Isso me disse muitas vezes, matutando métodos para as nossas campanhas eleitorais.

Mas voltando ao caro Dorgival, assinalo a sorte, o destino que o fez vizinho de moradia, nas proximidades do Clube Cabo Branco, do matuto-político-escritor Zé Cavalcanti. Acocorados os dois na calçada eles conversavam como bons sertanejos. E os moradores do bairro passavam e os cumprimentavam, e não viam nada demais. Como governador Dorgival era o mesmo homem: reto, digno, beradeiro.

Sousa e a família Mariz lhe devem a pesquisa que descobriu no João Belchior Marques Goulart um “Marques” de Sousa, que mandou para os pampas bachareis ilustres que lá se fixaram como Benedito Marques da Silva Acauã, parente também do nosso jurista Antonio Elias de Queiroga.

A cidade de Sousa alardeou por muito tempo a sua performance política na Camara, no Senado, no Governo do Estado. Faltava a Presidência da República. Pois Dorgival ilustrou a nossa tradição com a sua pesquisa, que lhe conferiu o exercício do mais alto cargo da Nação. Os marizistas comemoraram.

Muito mais tenho para dizer, mas o farei noutra oportunidade. Finalizo chamando a atençaõ para os vultos ilustres que Taperoá tem dado à Paraíba: cito Ariano Suassuna, Dorgival Terceiro Neto, Manelito Vilar e Balduino Lelis. Por enquanto.

 

Da Redação com Wscom