BESSA GRILL
Início » Política » Concursados do município de Caiçara enfrentam batalha judicial para poder trabalhar

Concursados do município de Caiçara enfrentam batalha judicial para poder trabalhar

Prefeito baixou decreto tornando sem efeito todos os atos de nomeação efetivados na administração anterior.

31/01/2013 15:27

Mesmo sem perspectivas, concursados passam o dia na frente do prédio da Secretaria da Educação (Crédito: Nordeste 1)

Servidores concursados que foram nomeados no final do ano passado no município de Caiçara estão enfrentando uma batalha judicial para poderem trabalhar. Eles alegam que estão sofrendo humilhações e passam o dia na frente do prédio da Secretaria da Educação após assinarem os pontos, uma vez que até agora não foram designados para suas funções, apesar de existir adeterminação judicial para imediata reintegração dos cargos de origem com o pagamento dos salários.

Em nota encaminhada à imprensa, os concursados de Caiçara contam que, logo após assumir a Prefeitura, o atual gestor Cícero Francisco da Silva (PSB) baixou um decreto tornando sem efeito todos os atos de nomeação efetivados na administração anterior. Os concursados entraram com um mandado de segurança coletivo solicitando a reintegração aos seus cargos de origem e os retroativos salariais. No dia 24 deste mês, o Ministério Público e o Poder Judiciário determinaram a imediata reintegração dos impetrantes em seus cargos de origem, com o pagamento dos salários e demais vantagens devidas até o julgamento desta ação.

Os concursados relatam, no entanto, que até esta quarta-feira (30) ainda não haviam sido designados para suas funções e não receberam os salários referentes ao mês de janeiro, cujo pagamento foi efetuado na terça-feira (29) para os demais funcionários do município.

Segundo a nota encaminhada por uma comissão formada pelos concursados, a recomendação da Prefeitura é de que todos fiquem em casa aguardando novas orientações. “Mas, a categoria prefer assinar o ponto e esperar em frente ao prédio da Secretaria da Educação, uma vez que a liminar determina reintegração imediata dos cargos”, diz a nota.

 

 

Da Redação com Assessoria