BESSA GRILL
Início » Policiais » Homem é assassinado em Bayeux e Advogada é presa na “Operação Falsa Morada”

Homem é assassinado em Bayeux e Advogada é presa na “Operação Falsa Morada”

29/10/2015 22:29

Um homem foi assassinado no início da noite desta quarta-feira (28) no Jardim Aeroporto, na cidade de Bayeux, região metropolitana da Capital. De acordo com a polícia, a vítima estava lavando o carro na residência quando foi surpreendido pelo acusado.

Edson Luiz de Franca tinha 32 anos e era conhecido como ‘Buiu’.

Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionada, mas o rapaz não resistiu aos ferimentos e morreu antes de receber atendimento médico.

ADVOGADA MARIA DO CARMO DELMAS PRESA NA OPERAÇÃO FALSA MORADA JÁ FOI DETIDA POR TENTAR SACAR PRECATÓRIO FALSO

 

IMG-20151028-WA0314Advogada Maria do Carmo Delmas presa na Operação Falsa Morada já foi detida por tentar sacar precatório falso

Uma quadrilha apontada por fraudes em concessão de benefícios do Programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, tornou-se alvo de uma operação da Polícia Federal na Paraíba e do Ministério Público Federal no Estado. Desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (28), acontece a Operação Falsa Morada. A advogada Maria do Carmo Delmas Nunes é apontada na Operação Falsa Morada e já tem processo por ter tentado sacar precatório falso.

O objetivo da ação da PF e do MPF é combater, desarticular e desestruturar a atuação do grupo criminoso. O esquema estaria sendo liderado pela advogada Maria do Carmo Delmas, especialista em causas habitacionais. Ela é atuante em questões pertinentes à construção civil e aliciava pessoas para, de forma fraudulenta, conseguirem benefícios de financiamentos junto à Caixa Econômica Federal.

Documentos falsos

Eram emitidos documentos falsos para simular situação em que as pessoas, indevidamente, pudessem ser enquadradas no Programa MCMV, sem que houvesse, por exemplo, ocupação do imóvel. A exemplo das falsificações estão os comprovantes de renda, que eram feitos para beneficiar o “comprador” com o melhor subsídio possível concedido pelo Governo Federal na compra da unidade habitacional.

Visita às obras

Os fraudadores apresentavam aos engenheiros das instituições financeiras os imóveis recém-construídos com os quais eles não tinham nenhuma relação. Para isso, eles procuravam horários de menor risco do verdadeiro dono da habitação surgir no local no momento da fraude.

Prejuízos

O valor do dano causado, até agora, foi calculado em R$ 1,7 milhão, depois de a investigação ter detectado fraudes em 17 financiamentos. Mas esse número pode aumentar com a análise de novos documentos que serão recolhidos na operação. Diversas empresas tiveram, indevidamente, os nomes e dados usados pelo grupo criminoso, quando das confecções de declarações de renda falsas.

Operação Falsa Morada

Foram distribuídos 16 policiais federais pela região metropolitana de João Pessoa para cumprimento de três mandados de condução coercitiva, quatro de busca e apreensão, além do mandado de prisão preventiva da chefe do esquema criminoso. Todas essas ordens foram expedidas pela 16ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba em João Pessoa.

www.reporteriedoferreira.com Com PRF