BESSA GRILL
Início » Policiais » Caso de Sumé; mãe participou de crime e funcionário de Fábrica é executado

Caso de Sumé; mãe participou de crime e funcionário de Fábrica é executado

17/10/2015 06:31

CRUELDADE: MÃE DE CRIANÇA MORTA EM SUMÉ TERIA LEVADO SANGUE DO FILHO EM UM BALDE

78ab0620d720151016022245A morte de Everton Siqueira, de apenas cinco anos, ganhou um novo enredo nesta sexta-feira (16). Durante a madrugada, o homem identificado como João Batista, apontado como suspeito do assassinato da criança, foi estrangulado e morto pelo padrasto da criança. Em seu depoimento à polícia, ele disse que João teria confessado e contado com detalhes como teria executado o menino na cidade de Sumé, Cariri do Estado. O corpo dele foi encontrado no dia 13 deste mês.

No entanto, um novo capítulo passou a ser escrito. É que um pai de santo foi detido e ele seria o responsável pelo ritual de magia negra a que a criança foi submetida. À polícia, Welligton Nogueira, o Pai Etinho informou que os parentes de Everton teriam participado do ritual.

O relato aponta ainda que o garoto foi levado até um boqueirão, que fica ao lado de uma serra, e lá foi feito o sacrifício. A mãe, inclusive, teria aparado o sangue do filho e levado para casa em um balde.

FUNCIONÁRIO DE FÁBRICA É EXECUTADO EM ALOJAMENTO

Mais um homicídio foi registrado em João Pessoa nesta sexta-feira (16). Desta vez o crime ocorreu no período vespertino no alojamento de uma fábrica, no Distrito Industrial da Capital. A vítima foi identificada como Luis Marcus Ferreira, de 39 anos.

Segundo a polícia, dois homens entraram por um beco perto do alojamento, perseguiram o rapaz e efetuaram os disparos. Ele teve morte imediata.

Os investigadores verificaram que ele respondia a processos na justiça e num deles já havia sido condenado. A polícia continua apurando o crime para identificar os suspeitos.

Mais mortes – Os outros homicídios aconteceram no bairro Valentina Figueiredo, no final da manhã, e no bairro dos Ipês. Ainda foram registradas mortes em Catolé do Rocha, Sertão do Estado, e no Presídio de Segurança Máxima (PB1).

www.reporteriedoferreira.com