BESSA GRILL
Início » Notícias » Wallber Virgolino determina transferência de acusado para o PB1

Wallber Virgolino determina transferência de acusado para o PB1

Chegada de Jefferson Oliveira foi tumultuada no Roger. Wallber mandou levar para o PB1

10/04/2013 13:40

O secretário Wallber Virgolino determinou  a imediata transferência do pedreiro Jefferson Luis de Oliveira Soares para o Complexo Prisional PB1, em Mangabeira. A decisão foi tomada logo após ele ter sido cientificado da chegada do preso no Presídio do Roger, onde, segundo as informaçõesfoi palco de um pequeno tumulto.

Wallber já havia sugerido ao secretário Cláudio Lima, da Segurança e Defesa Social que o preso foi levado da carceragem da Central de Polícia direto para o PB1, o que, a princípio não ocorreu.

O Presídio do Roger não tem condições de segurança para abrigar esse preso, disse o secretário de Administração Penitenciária. “Nós temos que preservar a integridade física do preso”, adiantou Wallber.

Tumulto

Um pequeno tumulto aconteceu no Presídio do Roger quando, por volta das 10h20 o pedreiro Jéferson Luis de Oliveira Soares chegou no estabelecimento penal transferido da carceragem da Central de Polícia. Nesta quarta-feira, como acontece todas as semanas, está havendo a visita íntima.

Jefferson assassinou a estudante Fernanda Ellen, 11 anos, ficou com seu corpo por dois dias em baixo de sua cama e depois enterrou a menina no seu quintal.

De acordo com Wallber Virgolino, no PB1 ele será “trancado” numa cela isolada onde, com exceção dos agentes penitenciários, ninguém terá acesso. “Lá já estão outros bandidos de alta periculosidade”, disse o secretário ao lembrar de Abner Machado e outros.

Para o secretário, que já comandou várias delegacias, passou pelo Grupo de Operações Especiais e antes de assumir o comando da Secretaria de Administração Penitenciária, Wallber Virgolino passou pela Corregedoria do Detran, o estado tem a obrigação de proteger o preso, independente da sua periculosidade e principalmente garantir a sua integridade física.

“O estado trata a todos por igual, ninguém tem privilégios”, disse.