BESSA GRILL
Início » Destaque » Senado Federal: Senado gasta R$ 6,2 milhões com plano de saúde

Senado Federal: Senado gasta R$ 6,2 milhões com plano de saúde

Documentos mostram que, nos últimos cinco anos, a Casa autorizou tratamentos milionários, sem fazer perícia física dos pacientes nem definir limites de cobertura

18/07/2014 12:49

O plano do Senado estabelece um limite anual de 25,9 mil reais para gastos odontológicos, mas a Casa tem pago valores acima

O plano do Senado estabelece um limite anual de 25,9 mil reais para gastos odontológicos, mas a Casa tem pago valores acima (Joedson Alves/AE)

Bancado exclusivamente pelo contribuinte, o plano de saúde do Senado paga despesas que incluem implantação de próteses dentárias com ouro e até sessões de fonoaudiologia para melhorar a oratória e driblar a timidez. Alguns senadores chegam a gastar até 70 mil reais por tratamento dentário.

Documentos obtidos pelo jornal O Estado de S.Paulo mostram que, nos últimos cinco anos, a Casa autorizou tratamentos milionários, principalmente odontológicos, sem fazer perícia física dos pacientes nem definir limites de cobertura. Os gastos atingiram média de 6,2 milhões de reais anuais entre 2008 e 2012 – 62% referentes a reembolso de notas fiscais e recibos. A reportagem obteve as despesas efetuadas em 2013, que ainda não foram consolidadas pelo Senado. A estimativa é que a média de gasto tenha se mantido inalterada.s

O plano de saúde do Senado é vitalício e banca despesas de senadores, ex-senadores e dependentes como filhos, enteados e cônjuges. Para usufruí-lo, o parlamentar não precisa fazer nenhuma contribuição – basta que tenha exercido o cargo por 180 dias ininterruptos. Após a morte do titular, o cônjuge continua usando a carteirinha.

O plano do Senado estabelece um limite anual de 25,9 mil reais para gastos odontológicos, mas a Casa tem pagado valores acima. O caminho para ignorar as normas é invadir a cota não utilizada de outros anos.

Em ação civil pública em tramitação na Justiça Federal, o Ministério Público, ao analisar os gastos efetuados até 2010, considerou que os “desembolsos envolvem valores exorbitantes, que fogem a qualquer padrão”.

(com Estadão Conteúdo)