BESSA GRILL
Início » Cidades » Sapato do Papa Bento XVI foi alvo de polêmica; saiba quem fabrica calçado

Sapato do Papa Bento XVI foi alvo de polêmica; saiba quem fabrica calçado

28/02/2013 01:05

 

Na última terça-feira (25), o Vaticano informou que o Papa Bento XVI, ao deixar a liderança da Igreja Católica, não só passará a ser chamado de Papa Emérito como também terá de modificar suas vestimentas — entre elas, os famosos sapatos vermelhos, chamados de múleo, que serão substituídos por pares comuns de calçados.

Mais famosos ainda depois de serem identificados em publicações internacionais como calçados produzidos pela marca italiana Prada. Em uma lista, em 2007, a revista americana “Esquire” apontou o Papa Bento XVI como um dos 23 homens mais bem vestidos do mundo. Num grupo à parte, foi eleito o “melhor portador de acessórios” — os sapatos “Prada”. Um ano depois, o jornal oficial do Vaticano negou a história da origem dos calçados, chamando-a de “frívola”.

Um artigo publicado no “L’Osservatore Romano” explicava, à época, que os sapatos do Papa, assim como sua coleção de chapéus chamados de “extravagantes”, não têm nada a ver com vaidade, mas sim com tradição. “Resumindo, o Papa não veste Prada, mas Cristo”, dizia o texto, sem especificar onde os sapatos eram produzidos.

O peruano Antonio Arellano, de 43 anos, fabrica o sapato vermelho de Bento XVI (Foto: Tony Gentile/Reuters)O peruano Antonio Arellano, de 43 anos, fabrica o sapato vermelho de Bento XVI (Foto: Tony Gentile/Reuters)

Peruano fabrica sapato papal
De acordo com a agência de notícias Reuters, os sapatos utilizados por Bento XVI são feitos à mão pelo sapateiro peruano Antonio Arellano, que tem uma loja instalada em uma rua estreita próximo à Praça de São Pedro,  na fronteira entre o Vaticano e a Itália (um limite entre os dois países quase que imperceptível para os turistas).

O imigrante peruano de 43 anos, que vive na Itália há 20 anos, “conquistou o direito” de fabricar o sapato papal ao prestar serviços para o então cardeal Joseph Ratzinger, que recorreu à loja de Arellano, anos antes de ser escolhido pelo conclave de 2005 que o escolheu Papa, para consertar outro par de calçados.

Satisfeito com o trabalho, Ratzinger, já eleito Papa Bento XVI, ordenou então que seus calçados seriam produzidos por Arellano, que tem na memória as medidas do Papa – o tamanho do calçado é 42 – e foi capaz de fazer os exemplares distintos, da cor vermelha.

Arellano atendeu pedido de cardeal Ratzinger e conquistou a confiança do futuro Papa Bento XVi (Foto: Tony Gentile/Reuters)Arellano atendeu pedido de cardeal Ratzinger e conquistou a confiança do futuro Papa Bento XVi (Foto: Tony Gentile/Reuters)

Os sapatos de couro vermelho foram parte do vestuário dos pontífices durante pelo menos dois séculos, mas o fato de Bento XVI usar sotainas (uma espécie de bata) um pouco mais curtas que alguns de seus antecessores torna mais visível seu calçado.

Ele disse à Reuters que se sente feliz quando vê o papa utilizando um sapato feito por ele. Mas agora, com a saída do pontífice da liderança da Igreja Católica, Arellano está na expectativa de permanecer com o cliente, mesmo sabendo que seu cliente não poderá receber visitar após se retirar da vida pública.

Depois da cerimônia, aconteceu uma breve audiência na Sala Clementina, com algumas personalidades e autoridades para o tradicional “beija-mão”, em que o Papa é cumprimentado.

Quinta-feira, último dia
Na quinta (28), Bento XVI deixará o posto, em um acontecimento sem precedentes na história da Igreja moderna. Na manhã de quinta, no Palácio Papal, o decano do Colégio de Cardeais, Angelo Sodano, fará um pequeno discurso de despedida, e então cada cardeal poderá separadamente se despedir do pontífice. A expectativa é de que cerca de cem cardeais participem deste encontro, segundo o Vaticano.

Durante a tarde, no Pátio de Saint-Damase, no coração do pequeno Estado, a Guarda Suíça carregará suas bandeiras em saudação. Em seguida, por volta das 13h (horário de Brasília),  Bento XVI irá para o heliporto do Vaticano para viajar a Castel Gandolfo, 25 quilômetros ao sul de Roma, a residência de verão do Papa, onde passará dois meses, antes de se estabelecer em um mosteiro no Monte do Vaticano.

Bento XVI chegará à residência de verão e saudará os fiéis a partir da varanda. Esta será sua última aparição como chefe da Igreja. Nada de especial está previsto quando o relógio badalar oito horas da noite (hora local), momento em que oficialmente termina o pontificado. Ele provavelmente estará em oração na capela neste momento.

Às 20h, o pequeno destacamento da Guarda Suíça, em frente à residência, fechará a porta e colocará assim um fim ao seu serviço, reservado exclusivamente ao Papa. Mas a polícia vai continuar a garantir a segurança de “Sua Santidade, o Papa Emérito”. No Vaticano, a Guarda Suíça continuará a fazer a proteção, apesar do “trono vacante”.

G1