BESSA GRILL
Início » Notícias » Postura do Secretário de Saúde do Estado recebe críticas de assessor de senador

Postura do Secretário de Saúde do Estado recebe críticas de assessor de senador

Waldson Sousa, que criticou com termos inapropriados para um Secretário de Estado a atuação do Senador Vital do Rêgo em Brasília, levantando dúvidas sobre suas ações em favor da Saúde da Paraíba.

21/04/2013 16:13

Vital do Rego e o ministro Padillha (Crédito: Assessoria)

A Assessoria de Comunicação do Senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) emitiu nota nesta sexta-feira (19) lamentando o que considerou uma “postura deseducada” do Secretário Estadual da Saúde, Waldson Sousa, que criticou com termos inapropriados para um Secretário de Estado a atuação do Senador Vital do Rêgo em Brasília, levantando dúvidas sobre suas ações em favor da Saúde da Paraíba.

Na Nota, a assessoria lembra que, desde a época de Deputado Federal, Vital tem tido uma atuação destacada em favor da Paraíba, sobretudo na área de Saúde, onde desfruta de livre trânsito e amizade com o titular da pasta, Ministro Alexandre Padilha. A assessoria lembra que Vital foi responsável por ampliar o orçamento da Saúde 2013 em mais de R$ 3,5 bilhões e lamenta que o Secretário e o governador Ricardo Coutinho nunca tenham solicitado audiência com o Senador, mesmo este tendo presidido a CMO, responsável pela destinação de verbas para os Estados. Confira a nota, na íntegra:

Nota

A Assessoria de Comunicação do Senador Vital do Rêgo lamenta a postura deseducada do senhor Secretário Estadual de Saúde, Waldson de Sousa, que criticou, com palavras inapropriadas para um Secretário de Estado, a atuação do Senador Vital em relação ao anúncio da destinação, por parte do Ministério da Saúde, de Unidades de Pronto Atendimento – UPAs para a Paraíba.

Talvez por ele e o próprio governador do Estado não terem solicitado nem participado de qualquer audiência com o Senador Vital do Rêgo nestes últimos dois anos, mesmo tendo sido Vital presidente da Comissão Mista de Orçamento, responsável pela destinação de verbas para a Saúde nos estados, o Secretário não saiba que, só este ano, o Senador já esteve pelo menos dez vezes com o Ministro Alexandre Padilha, tratando a destinação de recursos e ações do Governo Federal para a Paraíba.

Em todas as audiências o Senador tratou dos interesses dos Municípios e demais entidades da Paraíba, o que foi amplamente divulgado pela imprensa paraibana, através da produção jornalística dessa Coordenadoria. Só para lembrar, nas últimas três audiências com o Ministro o Senador tratou das seguintes pautas:

– Solicitou recursos de programação para implantação do Núcleo de Tecnologia em Plasticidade e engenharia tecidual no valor de R$4.775.375,00, para a UFPB;

– Solicitou recursos para aquisição de um Acelerador Linear para o Hospital da FAP no valor de R$2.700.000,00;

– Solicitou recursos para aquisição de um PETSCAN para o Hospital Napoleão Laureano;

– Solicitou a implantação  de Municípios Paraibanos no PAC da Saúde, com a destinação de UPAs; UBSs; e equipamentos para a rede Hospitalar dos Municípios.

 

É bom lembrar que o Senador é amigo do Ministro, além de aliado do Governo Federal, motivos pelos quais sempre é bem recebido por todos os escalões do governo e no próprio Ministério da Saúde. Também é importante destacar que é do conhecimento de todos, inclusive de toda a bancada paraibana no Congresso Nacional, o prestígio que o Senador desfruta neste órgão, inclusive sendo requisitado constantemente por parlamentares e Prefeitos paraibanos para resolver pendências junto ao Ministério, além de solicitação de recursos novos para o desenvolvimento da Saúde no Estado.

 

Só não há registro no Gabinete do Senador, até hoje, de qualquer solicitação por parte do Secretário ou do governador da Paraíba, o que é absolutamente lamentável e demonstra o total desinteresse dos gestores em garantir uma Saúde de qualidade para os paraibanos. Talvez por posturas como esta a Paraíba esteja, infelizmente, apresentando índices tão preocupantes em todos os indicadores na Saúde Pública nacional.

 

Para mudar este quadro é necessário haver união, não ausências e picuinhas, como falta de reconhecimento e/ou iniciativas para trabalho em conjunto, por pura mesquinharia política. O Senador está permanentemente à disposição dos prefeitos, do governador e seus secretários, para atuar na articulação política em Brasília, visando conseguir verbas públicas para investimentos, mesmo com o Secretário menosprezando esta disposição.

 

Bom lembrar que Vital presidiu a Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional em 2011. Na oportunidade, criou, junto com o relator da LOA 2012, a emenda de iniciativa popular para a Saúde, beneficiando todos os Municípios com até 50 mil habitantes, indistintamente. Estas emendas, somadas ao critério estabelecido de todo Parlamentar destinar, obrigatoriamente, R$ 2 milhões de suas emendas para a Saúde, geraram R$ 3,5 bilhões a mais para a Saúde, um fato inédito no Brasil.

 

Estes fatos mostram inequivocamente o comprometimento do Senador com a Saúde e sua capacidade como interlocutor na destinação de verbas para a Paraíba. É bom lembrar que os Ministros, obviamente, são sensíveis aos pleitos de Parlamentares, sobretudo se estes tem livre trânsito nas esferas federais, como é o caso de Vital.

 

Afirmar que Parlamentares não tem atuação sobre Políticas Públicas é desconhecer o funcionamento do processo de execução orçamentária do País. Seria interessante ao Secretário saber que a Administração Federal tem dinâmica própria e desconhecer essa dinâmica é aceitável para o cidadão comum. Porém, no caso de um Secretário de Estado, até mesmo considerando a desproporcionalidade entre a importância do cargo e a sua experiência na área, é inadmissível.

 

Por fim, é bom lembrar também que um parlamentar responsável por ampliar o Orçamento da Saúde em mais de R$ 3,5 bilhões, com certeza tem comprometimento com a substancial melhoria da Saúde pública brasileira e desfruta de prestigio para ampliar ainda mais os recursos previstos para o seu estado. E, com certeza, muito mais poderia fazer, caso o Governo do Estado da Paraíba dispusesse de projetos estruturantes; sensibilidade com a classe política e gestão séria na Saúde do estado.

da Redação com assessoria