BESSA GRILL
Início » Notícias » Polícia já identificou mulher que morreu em Casa de aborto clandestino que funcionava no bairro da Torre, na Capital.

Polícia já identificou mulher que morreu em Casa de aborto clandestino que funcionava no bairro da Torre, na Capital.

Casa de aborto clandestino foi fechada na Torre na manhã desta terça-feira ( 15 ) polícia já identificou a mulher que morreu no local

15/07/2014 22:30

A polícia, através da delegacia de crimes contra pessoa, depois de encetar várias diligências conseguiu identificar a mulher que morreu no interior da Casa de Aborto Clandestino, que funcionava no bairro da Torre em João Pessoa. Segundo a Polícia, o inquérito instaurado para apurar os fatos em toda sua extensão será concluído no prazo de trinta dias. As diligências continuam em carate sigilo.

Uma casa de aborto clandestino foi fechada na manhã desta terça-feira (15) na rua Barão de Mamanguape, no bairro da Torre, na Zona Norte de João Pessoa. Segundo a polícia, uma mulher morreu no local e a proprietária do imóvel foi presa.De acordo com o agente da Delegacia de Homicídios da Capital, Alberto Soares, as autoridades chegaram até a casa depois de denúncias feitas pela família de uma mulher que teria morrido com um aborto no local. As investigações duraram dois meses.A delegada de Homicídios, Emília Ferraz, disse que a mulher morreu no dia 8 de maio, dois dias depois der ter feito um aborto naquela casa, logo no começo da gestação.

O agente Soares falou ao repórter Cabuloso que a polícia encontrou vários acessórios na casa que indicam a prática de abortos, como luvas, seringas e objetos para medicina ginecológica, e que eles seriam feitos sobre uma cama em um dos cômodos da residência que tem situação precária.

Soares informou que a dona da casa, uma senhora de 75 anos, foi presa, mas negou, em depoimento, que teria envolvimento na ocorrência. Ela foi levada para a Central de Polícia no bairro do Varadouro, onde será interrogada pela delegada Emília Ferraz. Conforme a polícia, ela cobrava R$ 400 para os ‘atendimentos’.

De acordo com Alberto Soares, a polícia ainda vai investigar quantos abortos foram feitos na residência e se houve mais casos com registro de morte.