MPPBO Ministério Público da Paraíba (MPPB) pediu, nessa quarta-feira (20), o afastamento de uma médica do hospital São Vicente de Paulo após graves denúncias de falta de atendimento. Além disso, aconteceu um fato inusitado em que uma promotora de justiça foi impedida de entrar na unidade na semana passada. Outro caso envolve uma idosa que esperava atendimento nesta terça-feira (19) e o filho da paciente, revoltado com a demora, acorrentou-se ao corrimão da escadaria do hospital.

A Promotoria de Justiça e Defesa do Cidadão de João Pessoa expediu recomendação à diretoria do São Vicente de Paulo para que afaste a médica Carmem Lúcia Alves Pinto das atividades na unidade hospitalar. Ela ocupa, atualmente, o cargo de diretora da Chefia de Apoio Logístico no hospital.

O MPPB passou a investigar a unidade do São Vicente de Paulo depois que várias denúncias chegaram ao órgão, relatando falta de atendimento e negligência nas internações de pessoas idosas. “O pedido de afastamento das atividades laborativas da médica se dá às contínuas denúncias recebidas pela Promotoria”, destaca a promotora Sônia Maria.

A promotora informou que um ofício foi enviado à Gerência Executiva do Instituto Nacional de Previdência Social (INSS) para as providências do afastamento da médica. A diretoria do hospital São Vicente de Paulo deve cumprir o prazo de cinco dias para afastar a médica de suas atividades.

Na última sexta-feira (15), a Promotoria do Cidadão foi acionada por telefone, onde recebeu a denúncia de que um idoso ficou três dias na fila de espera para ser atendido no hospital. Ao dirigir-se até o São Vicente de Paulo, a promotora Sônia Maria foi impedida, pela diretoria, de entrar na unidade.

Na ocasião, o paciente identificado como Cláudio Roberval, de 72 anos, depois de três dias sem atendimento, foi internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) e chegou a falecer certo tempo depois. Esta informação foi passada à promotora no dia em que ela foi barrada pela diretoria.

Diante destes fatos, o Ministério Público, através da Promotoria de Justiça e Defesa do Cidadão segue na investigação e aplicação do afastamento da profissional. A morte do idoso e outras várias denúncias também estão somadas ao caso de ontem, em que um homem acorrentou-se ao corrimão da escadaria do hall de entrada do São Vicente de Paulo, depois que percebeu a demora no atendimento à sua mãe. A paciente de 59 anos tem o pé ferido em decorrência de fatores da diabetes.

Relembre o fato ocorrido nesta terça-feira (19)

Paulo dos Santos de Lima se acorrentou na entrada o Hospital São Vicente de Paula, em João Pessoa, nesta terça-feira (19) como forma de protesto contra os serviços de saúde na Paraíba. Ele está no local desde a manhã de hoje, por volta das 9h, e informou que a mãe, Margarida dos Santos de Lima, sofre de diabetes e apresenta um grave ferimento no pé. O homem disse ainda que chegou a ir até três hospitais, mas ela não foi atendida, por falta de especialistas.

Preocupado com a saúde da idosa, ele pensou em se acorrentar para chamar a atenção e tentar agilizar o atendimento. Dona Margarida foi atendida no São Vicente de Paula. Mesmo assim Paulo informou que só sairá do local depois que se certificar de que a mãe ficará bem.

O filho da idosa citou cada momento passado nas três unidades hospitalares por onde esteve com sua mãe. “Ela já vinha com uns problemas de saúde há quase um mês. Ela tem problema de diabetes, hipertensão, coração inchado e tá com o pé ficando roxo. A gente alugava carro, levava para o Hospital São Andrade e tinha que ser uma briga pra atender. Lá eles davam soro e mandavam ela pra casa. Aí minha mãe ficava gemendo a noite toda de dor e no outro dia a gente tinha que sair de novo com ela.

Segundo Paulo, o pé da mãe só piorou e ficou ainda mais escuro, quando ela foi internada no Hospital São Andrade, em Sapé, mas nenhuma medida considerável foi tomada, apenas foram feitos curativos. Ainda de acordo com ele, depois disso, a unidade transferiu a idosa para o Hospital São Vicente de Paula, na Capital, onde foram cobrados R$ 100, por uma especialista em varizes, para um exame feito na paciente.

O filho acorrentado também relatou que no Hospital Padre Zé a idosa teve apenas curativos feitos no pé. Algumas partes da enfermidade foram retiradas no São Vicente de Paula, e depois disso nada foi feito e o pé continua ferido.

Morador de Sapé se acorrenta à escadaria de hospital em João Pessoa para cobrar atendimento para a mãeAo todo, a idosa deu quatro entradas no Hospital de Sapé durante uma semana. Ela esteve no Hospital São Vicente de Paula no sábado (16) e voltou hoje à unidade, onde aguarda para fazer exames e ser internada.

Insatisfação com a saúde

O ‘protesto silencioso’ do paraibano ocorre no mesmo dia em que a Datafolha, a pedido do Conselho Federal de Medicina (CFM), divulgou pesquisa avaliando o sentimento dos brasileiros em relação aos serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e os órgãos privados.

Segundo a pesquisa, 87% dos entrevistados que usufruem do SUS demonstraram insatisfação com os serviços oferecidos. O critério da pesquisa estabeleceu que os entrevistados dessem notas de zero a dez para a saúde no Brasil e para o SUS. O estudo considera ruins ou péssimas as notas de zero a quatro. De cinco a sete, a avaliação é considerada regular.

O instituto ouviu 2.418 pessoas com mais de 16 anos entre os dias 3 e 10 de junho deste ano em todas as cinco regiões do país. O levantamento demonstrou que 92% da população brasileira procurou atendimento no SUS nos últimos dois anos e 89% da população conseguiu ser atendida pelo sistema público.

A pesquisa discorreu ainda que 30% dos entrevistados disseram estar esperando a marcação ou realização de algum serviço no SUS ou tem um parente nessa situação.

Para os entrevistados que disseram ter utilizado algum serviço do SUS, 26% consideram a qualidade do atendimento como ruim ou péssimo; 44% avaliam como regular; e 30% considera a qualidade boa ou excelente.

Fim do protesto

O pedreiro Paulo dos Santos Lima, de 30 anos, terminou o protesto por volta das 17h. Ele tirou a corrente que o prendia ao corrimão depois de ser informado que a cirurgia da mãe seria feita.

Os médicos fizeram a cirurgia ainda na noite de ontem e retiraram dois dedos do pé direito da idosa. Ela continua internada no hospital São Vicente de Paulo em observação. A paciente está sendo acompanhada de perto por uma cunhada de Paulo.

Reporteriedoferreira.com Assessoria MPPB