BESSA GRILL
Início » Nacionais » Manobra de Cunha reforça chance de cassação

Manobra de Cunha reforça chance de cassação

20/11/2015 23:27

eduardo-cunha1A manobra do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para suspender sessão do Conselho de Ética nesta quinta e atrasar a análise do seu processo de cassação deverá ter dois efeitos políticos principais.

O primeiro é enfraquecimento de Cunha, dificultando a sua permanência à frente do comando da Câmara. O segundo: inibir parlamentares a aceitar uma punição menor e reforçar a possibilidade de a pena ser a cassação do mandato.

Eduardo Cunha tem muito apoio nos bastidores da Câmara e alguns aliados dispostos a colocar a cara em público em sua defesa. Exemplo: o deputado Paulinho da Força, do Solidariedade de São Paulo, é uma espécie de expoente dos parlamentares que não se envergonham de trabalhar abertamente a favor do presidente da Câmara.

A manobra de ontem foi um erro político de Cunha _um gesto autoritário, que lembrou o poder que o peemedebista tinha há meses, quando atropelava o regimento com apoio amplo dos colegas. Isso mudou.

A manobra de ontem foi claramente um uso político do cargo de presidente da Câmara em benefício próprio. O pequeno grupo de parlamentares que pediu a cassação do mandato de Cunha obtém argumento para pressionar o Ministério Público e o Supremo Tribunal Federal a considerar uma eventual retirada de Cunha do cargo.

O peemedebista tem todo o direito de defesa. Sua estratégia é esticar a tramitação do processo ao máximo. Mas há regras que precisam ser respeitadas. Ontem, Cunha claramente interveio de forma indevida na investigação do Conselho de Ética.

Para piorar sua situação, sofreu a contestação mais dura desde a descoberta das contas secretas na Suíça. Houve uma rebelião no plenário. Partidos de oposição cogitam entrar em obstrução permanente enquanto Cunha presidir a Casa.

O governo, enfraquecido, tem tentado ajudar Cunha nos bastidores. O PT procurou socorrê-lo ontem, sem sucesso, a evitar quórum para a realização da sessão do Conselho de Ética. A presidente Dilma Rousseff continua refém de Cunha, o que parece um erro.

www.reporteriedoferreira.com  KENNEDY ALENCAR