BESSA GRILL
Início » Notícias » Mais de 20 municípios já cancelaram carnaval em razão de tragédia no RS

Mais de 20 municípios já cancelaram carnaval em razão de tragédia no RS

Mais de 20 municípios já cancelaram carnaval em razão de tragédia no RS

30/01/2013 21:56

Homenagem de familiares de vítimas de incêndio em Santa Maria em frente à boate Kiss (Foto: Tatiana Lopes/G1)Incêndio na boate Kiss matou 235 pessoas em
Santa Maria (Foto: Tatiana Lopes/G1)

O incêndio na boate Kiss em Santa Maria já provocou o cancelamento das festividades de Carnaval em 22 municípios no Rio Grande do Sul até o momento. Só na Região Central, onde ocorreu a tragédia que vitimou mais de 230 pessoas na madrugada de domingo (27), prefeituras de 17 cidades já anunciaram que em 2013 o carnaval não ocorrerá.

Ainda na Região Central, duas cidades não definiram se adiam ou não as festas. Em Rosário do Sul, a definição só ocorrerá após o retorno do prefeito, que está em Brasília. O município de São Francisco de Assis também não anunciou uma definição. Em São Gabriel, as festas foram adiadas e ocorrerão entre os dias 22 e 24 de fevereiro.

Em Pelotas, no Sul do estado, a definição da corte para o Carnaval de 2013, que ocorreria na noite desta quarta-feira (30), foi adiada devido à tragédia, mas ainda não tem data definida para ocorrer. A festa de carnaval está confirmada.

Veja as cidades que já cancelaram o carnaval
– Santa Maria
– Jaguari
– Agudo
– Dona Francisca
– Faxinal do Soturno
– São João do Polêsine
– Nova Palma
– Ivorá
– Formigueiro
– Santiago
– São Martinho da Serra
– São Sepé
– Silveira Martins
– Santa Margarida do Sul
– Toropi
– Pinhal Grande
– Restinga Seca
– Cerro Largo
– Santa Bárbara do Sul
– Tupanciretã
– Pejuçara
– Cachoeira do Sul

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, deixou 235 mortos na madrugada do último domingo (27). O fogo teve início durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que fez uso de artefatos pirotécnicos no palco. De acordo com relatos de sobreviventes e testemunhas, e das informações divulgadas até o momento por investigadores, é possível afirmar que:

– O vocalista da banda Gurizada Fandangueira segurou um artefato pirotécnico aceso.
– Era comum a utilização de fogos no palco durante apresentações do grupo musical.
– A banda comprou um modelo de sinalizador proibido para ambientes fechados.
– Pelo menos um extintor de incêndio não funcionou ao ser manipulado pelo segurança.
– Havia mais público do que a capacidade de 691 lugares apontada pelos Bombeiros.
– A boate tinha apenas um acesso, para entrada e saída, sem saídas de emergência.
– O alvará fornecido pelos Bombeiros estava vencido desde 10 de agosto de 2012.
– Mais de 180 corpos de frequentadores foram retirados dos banheiros da casa noturna.
– Cerca de 90% das vítimas fatais tiveram como causa da morte asfixia mecânica.
– Os equipamentos de gravação de imagens estavam em uma empresa de manutenção.

G1