BESSA GRILL
Início » Cidades » Mais de 100 mil homenageiam Iemanjá na orla de João Pessoa

Mais de 100 mil homenageiam Iemanjá na orla de João Pessoa

Festa chega aos 47 anos e teve a participação de 36 terreiros de umbanda. Seguidores levaram oferendas para Iemanjá, como pentes e espelhos.

9/12/2012 04:08

 
O templo de Iemanjá foi construído com material reciclável, segundo a Federação dos Cultos Afro-brasileiros (Foto: Jorge Machado/G1)O templo de Iemanjá foi construído com material reciclável, segundo a Federação dos Cultos Afro-brasileiros (Foto: Jorge Machado/G1)

Pelo menos cem mil seguidores dos cultos afro-brasileiros ocuparam as areias das praias de Tambaú e Cabo Branco, em João Pessoa, para homenagear aquela que eles consideram a deusa de todos os orixás – Iemanjá. A festa aconteceu na noite deste sábado (8) e, segundo a Federação dos Cultos Afro-brasileiros da Paraíba, contou com a participação de 36 terreiros de umbanda vindos de diversas cidades do estado, como Sapé, Rio Tinto e Alagoa Grande.

De acordo com  Maria da Luz Silva, presidente da Federação dos Cultos Afro-brasileiros, cada terreiro tem um tempo de 15 minutos para se apresentar na festa, que acontece há 47 anos na orla marítima de João Pessoa. “Essa não é apenas uma oportunidade de homenagear a nossa mãe mas também de nos aproximarmos da sociedade, de mostrarmos para as pessoas que na nossa crença também há luz, há um Deus que impera nas nossas vidas. É um momento para conscientização, para pormos fim a toda forma de preconceito”, afirma.

De acordo com a Federação dos Cultos Afro-brasileiros da Paraíba, pelo menos 100 mil pessoas participaram da Festa de Iemanjá (Foto: Jorge Machado/G1)De acordo com a Federação dos Cultos Afro-brasileiros da Paraíba, pelo menos 100 mil pessoas participaram da Festa de Iemanjá (Foto: Jorge Machado/G1)

Este ano uma das grande novidades da Festa de Iemanjá foi a montagem do templo da santa. “Tudo o que está aqui foi feito com material reciclável. Na verdade, é uma forma de fazermos o bem ao meio ambiente mas de reverenciar ainda mais a rainha das águas”, explica a presidente da Federação dos Cultos Afro-brasileiros.

As oferendas à Iemanjá aconteceram às 23h45 (horário local), mas muitas pessoas se anteciparam e entraram nas águas do mar de Tambaú com potes de barro repletos de perfumes, sabonetes, flores e espelhos. “Acho linda essa festa. Sempre ouvi falar. Este ano não resisti e vim pela primeira vez. Tenho muita fé em Iemanjá”, conta a pensionista Leda Lucena.

Casal de pais-de-santo veio de Araçagi, Agreste paraibano, para homenager Iemanjá (Foto: Jorge Machado/G1)Casal de pais-de-santo veio de Araçagi, Agreste
paraibano, para homenager Iemanjá
(Foto: Jorge Machado/G1)

Maria José Oliveira veio da cidade de Araçagi, Agreste paraibano. Mãe-de-santo há um ano, fala com orgulho da crença, mas não esconde os desafios que os cultos afro-brasileiros enfrentam. “É um caminho muito pesado, cruel. Muitos não acreditam e, como se isso não bastasse, ainda somos condenados”, declara.

A mãe-de-santo Geralda Alves, de 71 anos, veio da cidade de Rio Tinto, Litoral Norte da Paraíba. “Para mim não é nenhum sacrifício. Vim com todo prazer, com todo gosto ver bem de pertinho a rainha do mar”, conta.

No templo de Iemanjá, se apresentaram 36 terreiros de diversas cidades da Paraíba (Foto: Jorge Machado/G1)No templo de Iemanjá, se apresentaram 36 terreiros
de diversas cidades da Paraíba
(Foto: Jorge Machado/G1)

Enquanto os terreiros de umbanda se apresentavam, uma multidão contemplava do lado de fora do templo. Ao som dos atabaques e em um cenário privilegiado, pais e filhos de santo dançavam, invocando a proteção de Iemanjá. Nas areias de Tambaú e Cabo Branco, seguidores acenderam velas e rezaram em silêncio. “Há uma relação muito forte entre os cultos afro-brasileiros e o Catolicismo, a minhão religião. Por isso, eu tenho tanta fé em Iemanjá, que muda apenas do nome. Para mim é Nossa Senhora da Conceição. Mas para quem segue os cultos afro-brasileiros é Iemanjá e eu não vejo nenhum problema”, diz o técnico em informática Ricardo Macedo.

A aposentada Geralda Lopes veio de Guarabira para assistir à festa. “Eu defino em uma só palavra: luz. No próximo ano estou aqui de novo, se Iemanjá quiser”.

G1