BESSA GRILL
Início » Destaque » Funcionários da Fundac-Fundação Educativa denunciam inércia administrativa no órgão

Funcionários da Fundac-Fundação Educativa denunciam inércia administrativa no órgão

13/05/2014 15:40

Fundac 01Verdadeira inércia administrativa, prepotência e arrogância das diretoras  da  Fundac Casa Educativa, localizada na av. João  Machado, 1094, em João Pessoa, é o que mais se constatada. O mais grave, durante os plantões seis funcionários  que são escalados e , no revesamento do quarto e hora, dormem em chões  velhos  que são postos no chão para o descanso,   recebendo visitas de ratos e baratas.
O telefone que sempre foi utilizado pelos plantonistas  fica trancado, deixando os funcionários totalmente sem condições de se comunicar com a Polícia em caso de rebelião, com o samu e até mesmo com as diretoras. Vários funcionários formularam a denuncia e pediram para não serem identificados temendo represália por parte das diretoras. Segundo os funcionários, as informações que as diretoras  passam para o público através da imprensa não condiz com a verdade.

EM ENTREVISTA CONCEDIDA A IMPRENSA

FundacSegundo a vice-diretora da Casa Educativa, Áurea Leite, o trabalho realizado na unidade é baseado na disciplina, mas também no respeito e descoberta das potencialidades culturais, educacionais e profissionais das adolescentes, como ordena a lei, por meio do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).
Para a presidente da Fundac, Carmita Canuto, o trabalho que vem sendo realizado na Casa Educativa demonstra a importância de não deixar de acreditar no processo de ressocialização. “Há cerca de três anos, essa era uma das unidades de internação mais problemáticas do Estado e hoje temos aqui verdadeiras artistas, jovens que entraram sem nenhuma perspectiva de futuro e hoje mostram o seu potencial para práticas positivas. Porém, nós também sabemos que existem vários adolescentes que reincidem e que devem ser responsabilizados pelos seus atos por meio da disciplina e de um acompanhamento socioeducativo mais atento e rigoroso. E é esse modelo que queremos e vamos implantar na Paraíba”, afirmou.