BESSA GRILL
Início » Destaque » Filho de Ricardo critica tumulto em sessão, mas confirma comissionados

Filho de Ricardo critica tumulto em sessão, mas confirma comissionados

Mensagens entre o filho do governador e amigos confirmam a presença de servidores do Governo do Estado, em horário de trabalho, na audiência da ALPB

23/05/2014 18:00

Conversa entre Rico Coutinho e amigos vaza e revela que comissionados estavam na OAB (Crédito: WSCOM Online)

Portal WSCOM  teve acesso, com exclusividade, a uma suposta conversa de um grupo privado no aplicativo para telefone celular, WhatsApp, que confirma que servidores comissionados do Governo do Estado foram orientados a promover tumulto e impedir a realização da audiência pública para debater as contas de 2011 do Governo do Estado, na última quarta-feira (21). Um dos envolvidos no diálogo é o filho primogênito do governador Ricardo Coutinho (PSB), Rico Coutinho.

Em trecho da conversa, Rico Coutinho, demonstra não concordar com o tumulto que impediu a realização da audiência pública, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Paraíba (OAB-PB). “Rapaz, não vi necessidade de tumultuar a sessão. Marcar presença sim, mas tumultuar e impedir a audiência só pega mal pra gente”, disse o filho do governador, que complementou: “Ainda mais com tantos comissionados presentes”.

Outra pessoa envolvida na conversa de nome Gregory Gentle relata que as pessoas que estavam no local receberam ordens superiores para não deixar a audiência acontecer. “Disse que estavam recebendo ordens de não deixar a audiência ocorrer”, comenta.

 

Militante afirma que foi agredida por seguranças da Assembleia (Crédito: WSCOM Online)

Uma terceira pessoa, de nome Miranildo Conserva, afirmou que concordava com Rico Coutinho de que não era necessário atrapalhar a audiência. Uma quarta pessoa envolvida na conversa seria Robert Dore, assessor do deputado Hervázio Bezerra (PSB).

A conversa teve início com Gregory comentando sobre uma suposta agressão sofrida pela militante Poliana Figueiredo por parte dos seguranças da ALPB, que foi, inclusive, denunciada nas mídias sociais. Ela esteve envolvida na confusão em que integrantes da claque governamental tentaram agredir o deputado Raniery Paulino (PMDB), na saída do auditório da OAB-PB.

Veja o vídeo da confusão gravado pela equipe do WSCOM Online:

Saiba mais

A audiência pública foi uma propositura da Comissão de Acompanhamento e Controle da Execução Orçamentária da ALPB, por meio de requerimento formulado pelo deputado Caio Roberto (PR). Durante a reunião, o presidente da Comissão decidiu pela suspensão não conseguir conter os ânimos dos participantes.

Em nota distribuída a imprensa, a ALPB lamentou o ocorrido e denunciou que o Governo do Estado financiou com dinheiro público a ida de militantes à audiência, com a liberação de servidores, alguns deles identificados com fardas, para participar da reunião. Os funcionários estavam em horário de expediente e deveriam estar prestando serviço à população, pois são pagos para isso”.

Da redação