BESSA GRILL
Início » Esportes » Equipe feminina de ginástica tem falhas e deve ficar fora da final

Equipe feminina de ginástica tem falhas e deve ficar fora da final

29/07/2012 15:25

A equipe feminina de ginástica artística do Brasil teve uma apresentação apenas razoável na qualificatória, na manhã deste domingo, e tem poucas chances de repetir o feito dos Jogos de Pequim e alcançar a final olímpica.

Daniele Hypólito, Daiane dos Santos, Bruna Leal, Ethiene Franco e Harumy de Freitas somaram 161.295 pontos na somatória das apresentações nos quatro aparelhos (solo, salto, trave e barras assimétricas).

O Brasil participou da primeira subdivisão. Restam mais quatro ao longo do dia. Os candidatos a brigar pelo ouro, como Estados Unidos, Rússia, Romênia e China ainda vão entrar em ação. Apenas os oito melhores países avançam à final.

Leia também: Arthur Zanetti alcança a decisão das argolas com a quarta melhor nota

As melhores notas do Brasil vieram das veteranas Daiane dos Santos, de 29 anos, e Daniele Hypólito, 28. Daiane, que só competiu no solo, nas barras e no salto, tirou 14.166 pontos no solo. Daniele, que se apresentou nos quatro aparelhos, também tirou 14.166 pontos mas na trave.

Apenas as oito melhores de cada aparelho se classificam para a disputa de medalha. Com essas notas, em um nível de competição tão alto, será difícil Daiane e Daniele irem à final. Nos Jogos de Pequim, a gaúcha terminou na sexta colocação no solo, e em Atenas 2004, quando chegou como favorita, foi quinta.

E mais: Diego Hypólito cai no solo e dá adeus às Olimpíadas

Daniele buscava uma vaga entre as 24 ginastas que disputarão a decisão do individual geral, prova que reúne os quatro aparelhos. Porém, ela não foi bem no solo, quando caiu e tirou apenas 11.900. No total, ficou com 52.732 pontos. Bruna Leal foi um pouco mais regular – apesar de erro no final da série nas barras – e terminou com 52.765 pontos.

O Brasil disputou as Olimpíadas de Londres desfalcada de sua principal ginasta. Jade Barbosa teve problemas com a CBG (Confederação Brasileira de Ginástica) e foi cortada do grupo. Dias antes da estreia, a equipe perdeu Laís Souza, que machucou a mão direita, e Adrian Gomes, com uma contusão nas costas. Em Pequim, com Jade e Laís, o Brasil foi oitavo colocado por equipe, melhor resultado da história da ginástica.