Bolsonaro e Trump
Reprodução/Twitter

Relação de Bolsonaro com Trump não deve ser suficiente para garantir Brasil na OCDE

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), organização internacional conhecida como ‘clube dos ricos’ e que é composta atualmente por 36 países, tem como objetivo coordenar políticas econômicas entre as principais economias do mundo e estava na mira do governo de Jair Bolsonaro.

O Brasil buscou apoio dos Estados Unidos , maior economia global, para facilitar a entrada no grupo, aproveitando a boa relação entre o capitão reformado e Donald Trump, presidente norte-americano. Nesta quinta-feira (10), no entanto, de acordo com a Bloomberg News , a chance de fazer parte da seleta lista caiu por terra nesse momento.

Em 2017, o Brasil formalizou pedido para fazer parte da OCDE (OECD, na sigla em inglês), e a expectativa era que o processo corresse de forma rápida, sobretudo contando com o apoio da principal potência mundial a partir dos acordos costurados neste ano.

Atualmente, o Brasil é considerado parceiro estratégico do grupo, ao lado de países como África do Sul, Índia, China e Indonésia. Na América do Sul, o primeiro país a entrar foi o Chile, em janeiro de 2011, e o próximo deve ser a Colômbia, aceita em maio de 2018, que aguarda ainda a confirmação interna da adesão.

O apoio dos EUA foi considerado pelo governo Bolsonaro como ‘trunfo’ da viagem do presidente à Washington, mas, ao que tudo indica, o alinhamento com Trump não será suficiente para que o Brasil faça parte do privilegiado grupo já em 2019.

De acordo com a carta obtida pela Bloomberg , no momento os EUA apoiam somente a entrada de Argentina e Romênia na OCDE . Segundo fonte ouvida pela agência, no momento o foco é trabalhar pela entrada desses dois países e, assim, reforçar seus esforços por reformas e contribuir com o livre mercado.

Em março, Trump chegou a dizer que defendia a entrada do Brasil na OCDE e, consequentemente, a expansão do ‘clube dos ricos’. Posteriormente, chegou a ser corroborado por Wilbur Ross, secretário de Comércio dos EUA, durante visita a São Paulo, mas ao que indicam as declarações obtidas pela Bloomberg , as prioridades são Argentina e Romênia.

O apoio dos EUA à entrada do Brasil na OCDE veio em troca de um acordo de exploração da base de lançamento de foguetes de Alcântara, no Maranhão, e a liberação de visto para turistas americanos que quiserem entrar no Brasil. O Brasil ganhou, por enquanto, somente o status de  aliado dos Estados Unidos fora da OTAN. A entrada no clube dos ricos, nesse primeiro momento, ficou como promessa.

Confira a lista de países que fazem parte da OCDE atualmente

  1. Alemanha;
  2. Austrália;
  3. Áustria;
  4. Bélgica;
  5. Canadá;
  6. Chile;
  7. Coreia do Sul;
  8. Dinamarca;
  9. Eslováquia;
  10. Eslovênia;
  11. Espanha;
  12. Estados Unidos;
  13. Estônia;
  14. Finlândia;
  15. França;
  16. Grécia;
  17. Holanda;
  18. Hungria;
  19. Islândia;
  20. Irlanda;
  21. Israel;
  22. Itália;
  23. Japão;
  24. Letônia;
  25. Lituânia;
  26. Luxemburgo;
  27. México;
  28. Nova Zelândia;
  29. Noruega;
  30. Portugal;
  31. Polônia;
  32. Reino Unido;
  33. República Tcheca;
  34. Suécia;
  35. Suíça; e
  36. Turquia.