BESSA GRILL
Início » Notícias » Dona do Canyon renega cidadania da PB por ter restaurante derrubado pela Sudema

Dona do Canyon renega cidadania da PB por ter restaurante derrubado pela Sudema

Derrubada de parte do restaurante em Coqueirinho deixou proprietária indignada

21/02/2013 21:19

Deputada lamenta posição de empresária, mas diz que dona do Canyon ‘já é da PB’

A deputada estadual Iraê Lucena (PMDB), autora do requerimento que concede titulo de cidadaniaparaibana a empresária Ana Luiza, dona do restaurante Canyon de Coqueirinho, comentou as declarações da empresária que disse não aceitar a homenagem por conta da derrubada de parte do empreendimento na Praia de Coqueirinho, Litoral Sul da Paraíba.

Iraê fez questão de ressaltar que é amiga pessoal de Ana Luiza e que ela contribuiu muito para o desenvolvimento do turismo daquela região, mas lamenta a posição dela com relação ao titulo de cidadão. “Acredito que ela tenha dito isso num momento de revolta, pois por  tudo que já fez pela Paraíba e pelo sentimento que eu sei que ela tem por nossa terra, ela já é uma paraibana”.

A deputada ressaltou ainda que a Sudema apenas fez cumprir uma decisão da Justiça que foi acionada através da Superintendência do Patrimônio da União e do Ministério Público Federal.

O advogado da empresária também negou que ela tenha renegado a Paraíba, mas confirmou que ela estava magoada com a decisão de derrubar parte de seu restaurante. Ele disse ainda que já recorreu da decisão para garantir que o anexo do bar. O advogado informou ainda a parte que deve ser derrubada, trata-se apenas de umas mesas de apoio, todas móveis e que não alteram em nada o meio ambiente.

Dona do Canyon renega cidadania da PB por ter restaurante derrubado pela Sudema

A empresaria pernambuca Ana Luiza Mendonça (foto), proprietária do restaurante Canyon, na praia de Coqueirinho, no município do Conde (PB), revelou em entrevista ao Portal WSCOM  que está renegando o Titulo de Cidadã Paraibana recebido por propositura da deputada Iraê Lucena, em protesto contra a decisão da Sudema de mandar derrubar parte de seu estabelecimento na beira–mar do Litoral Sul.

– Sinto dizer que estou me despedindo de minhacidadania conquistada por trazer desenvolvimento turistico para este estado, mas não posso aceitar que sejamos expulsos de nosso trabalho pela insensibilidade da Sudema e do Governo, que não querem contribuir para o turismo – afirmou ela, por telefone.

Ana Luiza explicou que atendeu às exigencias da Sudema recuando parte do restaurante da beira-mar, mas mesmo assim não foi suficiente para sensibilizar o órgão a compatibilizar os interesses.

– Não posso me calar diante de tamanha agressão e insensibilidade, depois de investir anos e anos começando pelo Bargaço até chegar aqui. Entretanto, somente a decisão de ir embora pode testemunhar o quanto o Governo não respeita os investimentos suados de quem adotou a Paraiba como berço – declarou.

Sudema: retirada de quiosques na praia de Coqueirinho foi decisão da Justiça Federal

A retirada de quiosques externos do restaurante Canyon, na praia de Coqueirinho, foi uma decisão da Justiça Federal. A ação da Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) se deu em cumprimento a uma medida judicial.

A coordenadora de Controle Ambiental da Sudema, Larissa Maria Ramos, informou que o órgão desenvolve um trabalho de reordenamento urbano da orla do Litoral Sul paraibano, mas, no caso do restaurante Canyon, a determinação foi da Justiça. “A Sudema tem a ação de reordenamento urbano, uma medida conjunta que está sendo discutida no comitê gestor do Projeto Orla, porém, para este estabelecimento específico, houve uma medida judicial”, explicou.

A decisão da Justiça Federal para retirada dos quiosques externos foi definida antes da semana carnavalesca, no entanto, em entendimento entre a Sudema e o empreendimento comercial, a operação ficou para depois do carnaval.

“Um outro ponto a destacar é que essa medida obriga que a Sudema faça a retirada, mas o próprio empreendimento se dispôs a retirar os quiosques”, esclarece Larissa Ramos. A medida judicial não atinge o restaurante, que existe há muitos anos, apenas o anexo construído na beira da praia, que compreende os quiosques externos.

A Sudema vai retirar novos ambulantes que estão comercializando na área onde os atuais comerciantes do Complexo Turístico construído recentemente atuavam. Haverá um disciplinamento também no acessode veículos à praia pela tradicional ladeira.

Redação ,Secom-PB e Wscom