BESSA GRILL
Início » Notícias » Camila lamenta estupro e assassinato de paraibana e vai levar discussão para ALPB

Camila lamenta estupro e assassinato de paraibana e vai levar discussão para ALPB

23/06/2015 00:08

comissão mulherA presidente da Comissão dos Direitos da Mulher, deputada estadual Camila Toscano (PSDB), vai levar a discussão sobre a violência contra mulheres para a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB). A parlamentar destacou que vem sendo mais constante tipo de crime e lembrou do sequestro, espancamento, estupro e atropelamento de duas mulheres no último sábado (20). Uma delas não resistiu aos ferimentos e acaboumorrendo.

As mulheres foram sequestradas no bairro de Jardim Cidade Universitária, em João Pessoa, por volta das 20h, quando voltavam da festa junina do filho de uma delas de apenas 9 meses. Elas foram violentadas em Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco. Não satisfeitos com as atrocidades cometidas, os criminosos tentaram estrangular as mulheres e ainda passaram com o carro por cima delas, antes de fugir. Eles abandonaram o bebe amarrado dentro da mata. A mulher de 42 anos acabou morrendo.
A deputada vai propor uma audiência pública para discutir o assunto no âmbito da Comissão da Mulher, tão logo a Assembleia Legislativa retorne do recesso parlamentar. “Todas as semanas acompanhamos casos de mulheres que foram estupradas, espancadas e até assassinadas. Quem não lembra da ‘Barbárie de Queimadas’, onde cinco mulheres foram abusadas por um grupo de dez homens e duas delas acabaram assassinadas?”, questionou Camila. A tucana lembrou que em 2014 os dados oficiais do Estado apontam para 104 assassinatos de mulheres.
A deputada ressaltou que existe uma lei, aprovada e sancionada este ano, que torna o feminicídio (assassinato de mulheres por questão de gênero) crime hediondo e qualificado. “Tivemos um grande avanço em relação a legislação. Esse tipo de crime agora é imprescritível e inafiançável. Temos que estar vigilantes para que a lei seja cumprida, pois a punição severa diminui a prática do feminicídio”, destacou.
www.reporteriedoferreira.com