BESSA GRILL
Início » Nacionais » Blocos do Rio levam mais de meio milhão de pessoas para as ruas

Blocos do Rio levam mais de meio milhão de pessoas para as ruas

No Centro, Bloco da Preta arrastou cerca de 350 mil foliões. 'Beijaço' e bumbum de Paolla Oliveira foram destaque no domingo.

9/02/2015 00:44
Foliões fizeram fantasia coletiva no Suvaco do Cristo simulando cena em que a atriz Paola Oliveira exibiu o bumbum na minisséria 'Felizes para Sempre?' (Foto: Reprodução/GloboNews)

Foliões fizeram fantasia coletiva no Suvaco do Cristo simulando cena em que a atriz Paola Oliveira exibiu o bumbum na minisséria ‘Felizes para Sempre?’ (Foto: Reprodução/GloboNews)

Um balanço divulgado pela Riotur no começo da noite deste domingo (8) aponta que quase meio milhão de pessoas circularam por oito blocos de rua que desfilaram pelo Rio desde a manhã. O mais populoso, como esperado, foi o Bloco da Preta, com público estimado em 350 mil pessoas. Mas a lista não considerou inúmeros outros blocos, como o “Empolga as 9”, lotou a orla de Ipanema.
O Bloco Empolga às 9 foi parado, com palco montado na areia da praia. O show começou por volta das 16h e à noite ainda lotava a praia. A bateria, formada por 110 ritmistas, misturou rock, forró e funk para agitar público.

O primeiro encontro da bateria do bloco aconteceu em 2003, nas areias da praia de Ipanema e de lá pra cá ganhou cada vez mais foliões. Seu desfile oficial no carnaval será no sábado (14), em Copacabana, com público estimado em pelo menos 15 mil pessoas.

 

Empolga às 9 lota as areias de Ipanema neste domingo (Foto: Daniel Silveira/G1)

Empolga às 9 lota as areias de Ipanema neste
domingo (Foto: Daniel Silveira/G1)

A praia estava relativamente vazia, com poucos banhistas aproveitando o fim de tarde à beira-mar. Mas, nas proximidades do palco era difícil encontrar espaço na areia. E a Avenida Vieira Souto virou um verdadeiro mar de gente, com foliões vindos de outros blocos para continuar a festa na orla. A maioria não usava fantasias, mas houve quem abusasse da criatividade para compor o traje carnavalesco.

Folião e a sátira política (Foto: Daniel Silveira/G1)
O economista Roberto Bento,34, fez uma fantasia complexa. Com a máscara do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, ele simulava a prisão do ex-presidente do PT, José Genoíno. “Eu queria prender o Cerveró [ex-diretor da Petrobras] mas ele vetou que fizessem máscaras dele, então eu escolhi o Genoíno”, contou. Ele disse que no próximo desfile vai usar a mesma estrutura da fantasia, mas com máscara da Graça Foster, nariz de palhaço e uniforme de frentista.

Banda do Bairro Peixoto (Foto: Daniel Silveira/G1)
Pequeno, mas animado
Na vizinha Copacabana não havia multidão, mas não faltou folia. O bloco da Banda do Bairro Peixoto arrastou seus foliões da orla para as ruas do bairro tocando antigas marchinhas de carnaval. O clima era de muita descontração e reunia pessoas de várias idades. Crianças se divertiam com spray de espuma. Moradores do bairro se debruçavam nas janelas para ver a banda passar.

Zona Norte
Também na tarde deste domingo, cerca de 15 mil pessoas lotaram o Parque Madureira, na Zona Norte do Rio, para festejar junto ao bloco Timoneiros da Viola. Depois de três anos desfilando pelas ruas do bairro, o bloco fez sua apresentação na Arena do Samba, dentro do parque.

O bloco tem como princípio preservar a memória e homenagear o cantor e compositorPaulinho da Viola. Ele se apresentou no bloco neste domingo, emocionando os fãs que o acompanham.

Cores e irreverência marcaram o desfile do bloco
Zona Portuária
Irreverência marcou o desfile do Escravos da Mauá, na Zona Portuária, também na tarde do domingo. Os foliões capricharam nas fantasias coloridas e muitos se arriscaram sobre pernas de pau. Com mais de 20 carnavais em sua história, o bloco reúne as comunidades da área do porto como a Providência, Morro da Conceição e a chamada Pequena África, o território quilombola da Pedra do Sal. Segundo a Riotur, cerca de 5 mil pessoas participaram do bloco.

Bloco do bem
Para muitos, carnaval é período no qual a embriaguez é mais que permitida. Porém, um dos blocos deste domingo adverte que ninguém precisa usar drogas ou abusar de bebida alcoólica para se divertir. Promovido pela Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas, o Alegria sem Ressaca desfila há 12 anos no pré-carnaval carioca.

Neste ano, o bloco teve dupla ilustre como rei e rainha: a cantora Teresa Cristina, embalou os cerca de 1,5 mil foliões acompanhada pela bateria do Cordão do Bola Preta, e Zico, ex-jogador do Flamengo.

“Apoio esta campanha porque acredito que Carnaval é samba, fantasia e brincadeira. E penso que ficar longe das drogas é o melhor negócio para quem quer se dar bem, seja no esporte, ou em qualquer área”, disse o ídolo rubro-negro.

Pequenos foliões lotam o bloco Gigantes da Lira.
(Foto: Janaína Carvalho/G1)
O nome é Gigantes da Lira, mas o público alvo são os baixinhos. Pela manhã, criançada fez a festa em Laranjeiras, na Zona Sul, no bloco dedicado a elas. É claro que não faltou marmanjo acompanhando os pequenos e a Riotur estimou a presença de 5 mil pessoas no bloco. Palhaços deixaram a folia ainda mais lúdica na Pracinha da General Glicério.

Fantasias arrojadas
Os foliões que desfilaram nos blocos esbanjaram criatividade nas fantasias. No Cordão do Boitatá, no Centro, não faltaram cores. Sua orquestra tocou marchinha, frevos e outros ritmos brasileiros. Pela primeira vez o bloco apresentou a ala dos “Pernautas”, que fez oficinas de preparação para brilhar na rua. Teve ainda o batismo das baianas e estandartes homenageando ilustres cantores brasileiros.

Mas no quesito originalidade nas fantasias o destaque ficou para os foliões do Suvaco do Cristo. A que mais chamou a atenção foi inspirada na mulher mais bem falada das últimas semanas: Paolla Oliveira. Um grupo de amigos abusou da criatividade e simulou a cena em que a atriz exibiu o seu bumbum na minissérie ‘Felizes para sempre?’. Os atributos físicos de Paolla, que encarnou a personagem Danny Bond, uma prostituta, a fez liderar o Trending Topics do Twitter por três dias.

Avenida Presidente Vargas, no Centro, ficou tomada por foliões durante o Bloco da Preta. (Foto: Alexandre Durão/G1)

Avenida Presidente Vargas, no Centro, ficou tomada por foliões durante o Bloco da Preta. (Foto: Alexandre Durão/G1)

Como já era esperado, Preta Gil, filha do cantor Gilberto Gil, arrastou milhares de pessoas pelo Centro do Rio. Tradicionalmente, o bloco da Preta desfila pela Avenida Rio Branco, que neste ano está interditada para obras. O desfile foi transferido para a Presidente Vargas e, segundo a Riotur, contou com a presença de 350 mil pessoas.

Preta Gil arrastou uma multidão no Centro do Rio.
(Foto: Alexandre Durão/G1)
Este foi o sétimo ano de desfile do Bloco da Preta no pré-carnaval do Rio. Cento e setenta policiais militares reforçaram a segurança durante o bloco. Durante o percuso, a cantora parou de cantar apenas uma vez ao avistar de cima do trio uma briga entre os foliões, que logo foi controlada.

A atrizes Carolina Dieckmann e Fernanda Paes Leme, a Mc Ludmilla, Gominho e David do Brazil acompanharam a apresentação ao lado da cantora. O público foi contagiado pela alegria e animação de Preta.

O auge do desfile foi quando a cantora convocou os foliões para um “beijaço”.

www.repotreriedoferreira.com G1