BESSA GRILL
Início » Notícias » Após depoimento de delegada, juíza encerra 1º dia do júri de Bola

Após depoimento de delegada, juíza encerra 1º dia do júri de Bola

23/04/2013 08:55

bola1A juíza Marixa Fabiane Lopes encerrou a sessão desta segunda-feira (22) por volata das 22h30 no primeiro dia de julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de matar e ocultar o cadáver de Eliza Samudio – ex-amante do goleiro Bruno Fernandes – após o depoimento da Delegada Ana Maria Santos. A policial falou no Fórum de Contagem por cerca de seis horas como informante. Ela participou das investigações do caso na época do inquérito policial. Ela havia sido arrolada como testemunha de defesa e de acusação, porém, Ana Maria pediu que fosse ouvida apenas como informante e a solicitação foi deferida pela juíza, conforme o Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Eliza

Ana Maria afirmou que Jorge Luiz Rosa – primo do goleiro Bruno Fernandes, e adolescente na época do crime – disse em um dos depoimentos que o executor de Eliza seria branco, “patolinha”, com falhas nos dentes e responderia pelo apelido de Neném.  Segundo a delegada por medo, Jorge deu outra descrição do executor de Eliza quando ouvido no Rio de Janeiro, dizendo que era pessoa “alta e negra”. “Ele disse que o fizera porque estava com medo”, relatou a delegada. O medo, conforme ela, era do executor de Eliza.

Segundo a delegada, os olhos do primo de Bruno ficavam lacrimejando durante o depoimento. “Não raras vezes, conteve o choro ao falar do momento da execução”, disse. Ela ainda afirmou que Jorge estava tranquilo e lucido no depoimento. “Eu reafirmo, ele [Jorge] me transmitiu  muita credibilidade, ele foi bastante detalhista”. Jorge foi ouvido pela primeira vez no Rio de Janeiro e depois em Contagem, ambas na época em que o crime foi descoberto e começou a ser investigado. O primo de Bruno foi o primeiro a falar que Eliza Samudio estava morta.

O depoimento da policial também foi marcado por questionamentos de um dos advogados de Bola, Ércio Quaresma, sobre a investigação policial e o trabalho da Polícia Civil. Como o não indiciamento do policial civil aposentado José Lauriano de Assis Filho, também conhecido como Zezé, e investigado pelo Ministério Público por participação no crime. Ana Maria afirmou que os elementos não eram suficientes para indiciar Zezé. “Isso aqui foi fraude, nós vamos provar”, diz o advogado segurando o relatório do inquérito.

Vários objetos apreendidos durante a investigação foram expostos no plenário: algo parecido com um tapete, um travesseiro, facas, embalagens de produtos de higiene infantil, cheques e cartões em nome de Luiz Henrique Romão. Havia também notebooks e um envelope fechado onde estava escrito a palavra cabelo. Até mesmo uma arma foi mostrada. Segundo o assistente de acusação, José Arteiro, a arma e outros objetos mostrados durante o júri ficam guardados no cartório e foram expostos a pedido da defesa.

Antes disso, a juíza Marixa Fabiane indeferiu pedidos da defesa para desconsiderar a certidão de óbito de Eliza Samudio e de adiamento do julgamento pela ausência de duas testemunhas: a delegada Alessandra Wilke e de Jorge Luiz Rosa, primo de Bruno.A sessão desta segunda-feira (22) durou cerca de 13 horas. Os trabalhos começaram durante a manhã, onde foram ouvidas as preliminares da defesa de Marcos Aparecido dos Santos e da promotoria. Após um intervalo para almoço, o Conselho de Sentença foi definido: quatro homens e três mulheres julgarão o ex-policial pelos crimes de assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes – já condenado pelos crimes.

 

 

 

 

do G1