BESSA GRILL
Início » Notícias » Alianças ajudam PT a sair na frente em 2014

Alianças ajudam PT a sair na frente em 2014

Segundo especialista, Dilma pode ter cerca de 10 minutos de TV; PSDB, de Aécio, e Rede, de Marina Silva, devem explorar a internet

6/04/2013 10:51

Dilma Rousseff, Aécio Neves e Marina Silva se mobilizam por presidência de 2014 / V. Campanato/ABr, Sergio Lima/Folhapress, José Cruz/ABrDilma Rousseff, Aécio Neves e Marina Silva se mobilizam por presidência de 2014

As eleições presidenciais de 2014 já motivam estratégias e uma correria na busca – ou na manutenção – das alianças partidárias. Segundo o cientista-político e professor da PUC (Pontifícia Universidade Católica) Pedro Fassoni de Arruda, o PT (Partido dos Trabalhadores) sai na frente neste quesito.
“Atualmente, a base governista de Dilma Rousseff [com PMDB, PDT, PC do B, entre outros] deixa a atual presidente em um posto confortável frente aos possíveis opositores”, afirma Arruda. Segundo ele, o tempo de televisão de Dilma pode chegar a dez minutos.

“Esse tempo faz muita diferença na hora de rebater críticas, mostrar propostas e ganhar os eleitores”, afirma. De acordo com ele, o principal candidato de oposição deve ter cerca de dois minutos. “Aécio Neves (PSDB) não terá como concorrer com um tempo tão inferior. Marina Silva (Rede) e Eduardo Campos (PSB) não devem ter mais que um minuto e meio”.

“Candidatura de Eduardo Campos é balão de ensaio”
O especialista explica que a candidatura do atual governador pernambucano Eduardo Campos (PSB) não deve sair do papel. “Vejo essa possibilidade como um ‘balão de ensaio’ (um boato) que, dependendo do resultado das pesquisas, pode nem ser levado para frente”.

Para ele, a legenda de Campos deve continuar onde está, na base governista. “Entretanto, também há outra possibilidade. Menor, mas existe”, revela. O especialista vê a possibilidade de o PSDB de Aécio Neves o chamar para sua chapa.

“Talvez até com a vice-presidência”, afirma Arruda. Ele lembra, porém, que o tempo de TV não deve mudar muito. “Com essa aliança, a oposição pode chegar a três minutos”.

Na web
Com a perda de tempo na televisão, a oposição deve se focar na busca por eleitores ativos na internet. “Em 2010 foi Soninha Francine que teve este papel no PSDB. Para o ano que vem a ajuda será maior”, diz o cientista-político.

A vinda do estrategista David Axelrod, que atuou na campanha do presidente Barack Obama nos Estados Unidos, foi acertada através do marqueteiro Renato Pereira do PSDB, tendo colaboração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que é próximo ao ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton.

O mesmo meio deve ser explorado pela candidata Marina Silva (Rede), que em 2010 teve uma votação expressiva frente aos grandes candidatos da época – Dilma Rousseff e José Serra. “Ela deve comer pelas beiradas e, sem dúvida, esta será a maior estratégia da candidata no ano que vem”, finaliza.

Band.com