BESSA GRILL
Início » Notícias » Adolescentes acusados de participarem do estupro coletivo em Queimadas ganham liberdade

Adolescentes acusados de participarem do estupro coletivo em Queimadas ganham liberdade

Os três adolescentes acusados de participação na “Barbárie de Queimadas” estão em liberdade

7/02/2015 00:21
Os três adolescentes acusados de participação na “Barbárie de Queimadas” estão em liberdade.

Os três adolescentes acusados de participação na “Barbárie de Queimadas” estão em liberdade.

A saída deles aconteceu na manhã da sexta-feira (30/01), mas por questão de segurança: NÃO ERA PARA NINGUÉM FICAR SABENDO, POIS ELES CORREM RISCOS.

Um dos envolvidos no estupro encontra-se em Goiás, outro no Rio de Janeiro e o terceiro, nestes dias, também embarca para o norte ou para o sul, disse uma fonte.

Desde o dia o dia 12 de fevereiro de 2012 que eles estavam cumprindo Medida Socioeducativa no Lar do Garoto, em Lagoa Seca.

De acordo com um magistrado “está sendo cumprido o Estatuto da Criança e do Adolescente”.

Três anos é o prazo máximo, embora tenham participado de um crime brutal.

Os adolescentes podem seguir suas vidas normalmente.

Podem estudar e futuramente trabalhar, pois não devem mais nada à Justiça.

Durante os três anos em que passaram no Lar do Garoto, os acusados assistiram aulas escolares e não se envolveram em confusões.

Recentemente o juiz da Vara de Infância e Juventude de Campina Grande, Max França, declarou ao jornalista Artur Lira/Jornal da Paraíba que “eles só não saíram antes, por conta da gravidade do ato infracional cometido”.

Em 12 de fevereiro de 2012 a professora Isabela Pajuçara Frazão Monteiro, de 27 anos, e a recepcionista Michelle Domingues da Silva, de 29 anos foram estupradas e mortas.

De acordo com a polícia, o plano foi arquitetado pelos irmãos Eduardo e Luciano Pereira dos Santos.

Além de Isabela e Michelle que foram mortas e estupradas, outras cinco mulheres também foram vítimas do estupro.

Todos os sete adultos envolvidos no hediondo crime foram condenados e cumprem pena no Roger, em João Pessoa.

www.reporteriedoferreira.com