BESSA GRILL
Início » Internacionais » Tumulto mata 61 na Costa do Marfim

Tumulto mata 61 na Costa do Marfim

Incidente ocorreu após queima de fogos em um estádio de Abidjã pelo ano-novo; crianças estão entre maioria dos mortos ou e dos 250 feridos

4/01/2013 01:23

Pelo menos 61 pessoas morreram pisoteadas e dezenas ficaram feridas em um tumulto seguido de correria durante a celebração do ano-novo em Abidjã, capital econômica da Costa do Marfim.

Segundo equipes de resgate, outras 250 pessoas ficaram feridas no incidente, que ocorreu nas primeiras horas de ontem, perto do estádio Felix Houphouet Boigny, onde eram exibidos fogos de artifício para comemorar a chegada de 2013, informou o comandante do corpo de bombeiros de Abidjã, coronel Issa Sako.

O incidente ocorreu quando as pessoas voltavam para casa após o evento, mas ainda não estava claro o que causou o tumulto. Um dos feridos disse à agência de notícias Reuters que as forças de segurança chegaram para controlar a multidão, provocando pânico e correria.

As equipes de resgate afirmam que o número de mortos deve aumentar. Os feridos foram levados para diversos hospitais da cidade. Um centro médico recebeu quase 40 pessoas, entre elas muitas crianças. Entre as vítimas há crianças e adolescentes e as idades variam entre 8 e 15 anos.

A multidão que acompanhava os fogos de artifício diante do grande estádio de Abidjã criou uma “grande avalanche”, explicou o tenente-coronel Sako. “Pessoas foram pisoteadas ou sofreram asfixia”, disse.

O canal de televisão RTI exibiu imagens de corpos no chão e de mulheres sendo atendidas pelos serviços de emergência.

Segundo a imprensa local, muitas pessoas foram ao estádio, hospitais ou ao necrotério em busca de informações sobre parentes. “Eu vejo todos esses corpos, mas não consigo encontrar meu filho”, disse Mamadou Sanogo, mãe de um menino de 9 anos, à imprensa local. “Eu não sei o que fazer.”

“Minhas duas crianças vieram aqui ontem. Eu lhes disse que não viesse, mas não me ouviram. Eles vieram enquanto eu estava dormindo” disse outra mãe, Assetou Toure. Ela estava procurando pelos filhos e não sabia se haviam escapado ilesos.

O presidente Alassane Ouattara e sua mulher visitaram alguns dos feridos nos hospitais e prometeram que o governo pagará por seu tratamento. Ele qualificou o incidente como “uma tragédia nacional” e disse que investigações serão realizadas para se determinar as causas do distúrbio.

O governo organizou a queima de fogos para celebrar a paz na Costa do Marfim, após vários meses de violência política no início de 2011 depois das disputadas eleições. A Costa do Marfim, antes um país com uma das economias mais estáveis da região central da África, ainda está se recuperando da guerra civil, que foi desencadeada após as eleições e deixou mais de 3 mil mortos.

Na manhã de ontem ainda era possível observar pilhas de calçados e roupas abandonadas no local da tragédia. A área foi isolada pela polícia e por membros da Operação das Nações Unidas na Costa do Marfim (Onuci).

A TV estatal exibia cenas dramáticas: crianças sendo tratadas nos hospitais; uma mulher chorando desesperadamente na parte de trás de uma ambulância, outra sentada no meio fio, aparentemente em estado de choque.

O incidente foi um dos piores do gênero em Abidjã desde 2010, quando um tumulto seguido de correria em um estádio durante uma partida de futebol deixou 18 mortos. / REUTERS, AP e AFP