BESSA GRILL
Início » Internacionais » Síria diz que rebeldes mataram mais de 80 pessoas em três dias

Síria diz que rebeldes mataram mais de 80 pessoas em três dias

1/11/2016 00:00

Ataques foram feitos contra escolas e civis, diz Exército.
Mídia estatal cita lançamento de gás venenoso; rebeldes negam.

Rebelde sírio em Dahiyet al-Assad dispara projétil neste sábado (29) em direção ao bairro de Hamdaniyah, no oeste da cidade de Aleppo, controlado pelo regime (Foto: REUTERS/Ammar Abdullah)Rebelde sírio em Dahiyet al-Assad dispara projétil neste sábado (29) em direção ao bairro de Hamdaniyah, no oeste da cidade de Aleppo, controlado pelo regime (Foto: REUTERS/Ammar Abdullah)

O Exército da Síria disse nesta segunda-feira (31) que a Frente Nusra e o que chamou de outros grupos terroristas mataram 84 pessoas, na maioria mulheres e crianças, em Aleppo durante os últimos três dias, em um bombardeio que incluiu o uso de armas químicas e disparo de foguetes.

 Em um comunicado nesta segunda-feira, o Exército disse que os rebeldes lançaram ataques contra escolas e civis, disparando 20 bombas de gás venenoso e 50 foguetes Grad, além de provocarem 48 incêndios.

A Frente Nusra rompeu sua aliança com a Al Qaeda e mudou seu nome para Jabhat Fateh al-Sham em julho. O grupo é um dos principais a fazer parte da ofensiva contra o oeste de Aleppo, controlado pelos rebeldes, que teve início na sexta-feira.

A mídia estatal síria disse no domingo que militantes tinham lançado gás venenoso no bairro de Hamdaniya, no oeste de Aleppo. Rebeldes chamaram a acusação de mentirosa.

A ofensiva dos insurgentes contra áreas controladas pelo governo no oeste de Aleppo ocorre mais de um mês após o início de uma operação dos militares para recuperar os bairros do leste da cidade que estão sob controle dos rebeldes, que já foram sitiados.

Grupos de direitos humanos e países ocidentais acusam o Exército sírio, apoiado pela Força Aérea russa, de atacar hospitais, padarias e outras áreas civis em seus bombardeios de áreas rebeldes, incluindo o leste de Aleppo.

www.reporteriedoferreira.com Por G1