BESSA GRILL
Início » Internacionais » Mais um ministro egípcio renuncia por discordar do governo

Mais um ministro egípcio renuncia por discordar do governo

Mohammed Mahsoub renunciou um dia após Morsi prometer reforma na economia do país

27/12/2012 21:18

Ministro egípcio critica governo e renuncia - Ahmed Farid/AP
Ahmed Farid/AP
Ministro egípcio critica governo e renuncia

CAIRO – O ministro para Assuntos Legais e Parlamentares do Egito, Mohammed Mahsoub, anunciou sua renúncia nesta quinta-feira, 27, um dia depois de o presidente Mohamed Morsi ter prometido uma reforma na tumultuada economia do país.

Mahsoub disse que estava deixando o cargo porque “muitas políticas e esforços (do governo) contradizem minhas convicções pessoais”, de acordo com carta publicada na página do Facebook que pertence ao líder de seu partido, o moderado Wasat.

Ele também criticou o fracasso do governo em recuperar os recursos supostamente desviados por membros do regime de Hosni Mubarak. Sua renúncia ocorre dois dias depois de o ministro de Comunicação de Morsi, Hany Mahmud, ter deixado o governo em razão da “atual situação do país”.

Mahsoub, vice-líder do Wasat, havia apoiado Morsi contra a oposição laica durante a profunda crise política a respeito da nova Constituição, que se tornou lei na semana passada. Semanas de protestos e confrontos violentos precederam o referendo constitucional. A nova lei foi redigida por um painel dominado por islamitas e boicotada por cristãos e liberais.

Em discurso feito na quarta-feira, Morsi elogiou a Constituição e disse que estudava mudanças ministeriais. “Vou implementar todas as minhas ideias para estimular a economia egípcia…e farei todas as mudanças necessárias para cumprir esta tarefa”, declarou o presidente.

Ataque à oposição

O promotor chefe do Egito ordenou nesta quinta-feira a realização de uma investigação sobre os líderes da oposição, depois que um advogado os acusou de incitar a queda do regime do presidente Morsi, informou um funcionário do judiciário, em condição de anonimato.

A ordem, emitida por um funcionário indicado por Morsi, deve agravar as tensões políticas, que resultaram em violentos episódios de violência nas ruas.

A acusação, aberta no mês passado, diz que Mohammed ElBaradei – ganhador do prêmio Nobel da Paz e ex-diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ligada à ONU -, juntamente com Amr Moussa, ex-ministro de Relações Exteriores, e Hamdeen Sabahi, que foi candidato à presidência, fizeram campanha para derrubar Morsi.

As informações são da Dow Jones e da Associated Press

Agência Estado