Alguns teóricos da conspiração alegam que duas imagens, antes identificadas como anjos da guarda, são indícios da estreita relação entre Jesus e os aliens

O afresco europeu é de autoria desconhecida
Reprodução/Express.co.uk

O afresco europeu é de autoria desconhecida

Alguns teóricos da conspiração descobriram que um afresco, pintado nas paredes da Catedral Ortodoxa de Svetitskhoveli, na Geórgia, pode ser a prova final de que Jesus Cristo e os alienígenas, de fato, sempre estiveram conectados.

 

Um artigo publicado no portal “Express” nesta quinta-feira (13) explica os pormenores que levaram a criação da nova teoria, que acredita que alienígenas estavam presentes durante a crucificação de Jesus. Para os teóricos, todas as explicações anteriores para os detalhes da pintura, de autoria desconhecida, estão erradas, e a verdade está exibida nos cantos superiores do afresco.

Historiadores sempre consideraram as imagens circuladas acima como anjos da guarda, porém, estima-se que o afresco foi pintado durante o período Bizantino, quando os anjos eram representados com formas humanas, auréolas e asas. E nada disso está presente na Catedral da cidade de Mtskheta.

A Catedral Ortodoxa de Svetitskhoveli é uma das mais antigas da Geórgia
Reprodução/Wikmedia Commons

A Catedral Ortodoxa de Svetitskhoveli é uma das mais antigas da Geórgia

Segundo o site “Ancient Aliens”, que publicou a teoria da conspiração, parece que o artista queria nos mandar uma mensagem: discos voadores estavam presentes durante a morte de Jesus, e parece que eles desempenharam um papel de destaque na cena.

Jesus era um extraterreste?

Esta, entretanto, não foi a primeira teoria a relacionar os aliens com o cristianismo, e algumas histórias conseguem ser ainda mais bizarras: segundo dois artigos egípcios, Jesus era, na realidade, um extraterrestre transmorfo , que tinha a capacidade de assumir a aparência humana.

Um dos textos usa uma passagem da Bíblia como argumentação. Nela, os judeus falam sobre as diversas formas em que Jesus apareceria: o homem se revelava como branco, corado, amarelado, vermelho, pálido, velho ou jovem. A ausência de uma aparência única, para o autor da teoria, é uma evidência clara de que o filho de Maria não era desse mundo.

Agora, resta uma dúvida: discos voadores presenciaram a crucificação de Jesus ou ele mesmo era um dos alienígenas que já habitavam a Terra?

www.reporteriedoferreira.com.br   Por Ig