BESSA GRILL
Início » Internacionais » Irã e ONU falham em nova tentativa de acordo sobre programa nuclear

Irã e ONU falham em nova tentativa de acordo sobre programa nuclear

Inspetor-chefe das Nações Unidas afirmou que agora 'é preciso tempo para refletir sobre o caminho a seguir'; país é suspeito de desenvolver armas atômicas

14/02/2013 22:28

AP

Inspetor-chefe da ONU (c) voltou de Teerã sem perspectivas de um acordo com o Irã sobre o programa nuclear

Inspetores da ONU (Organização das Nações Unidas) não conseguiram chegar a um acordo com o Irã nesta quinta-feira sobre o acesso a instalações nucleares e saíram sem uma nova data para novas conversações. No último domingo, aniversário da revolução islâmioca, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse que Teerã não negociará seu controverso programa nuclea r sob pressão.

Leia mais: Irã rejeita pressão dos EUA em aniversário da revolução

Desafio: Irã planeja acelerar enriquecimento de urânio em Natanz

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), da ONU, e o Irã “não puderam finalizar o documento” definindo os termos para uma investigação do órgão sobre possíveis dimensões militares do programa nuclear do Irã , disse o inspetor-chefe da ONU, Herman Nackaerts, no aeroporto de Viena depois de voltar do Irã.

Ele disse que não havia nova data definida para conversas que não mostraram nenhum progresso em mais de um ano, acrescentando: “Tempo é necessário para refletir sobre o caminho a seguir”.

Estados Unidos, Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha devem se reunir com o Irã para conversas separadas no Cazaquistão, em 26 de fevereiro, para lidar com uma disputa de uma década que já produziu quatro rodadas de sanções da ONU contra o Irã.

Mas a República Islâmica, que nega qualquer dimensão militar de seu trabalho e está pedindo reconhecimento de que tem o direito de produzir combustível nuclear para fins pacíficos, está caminhando para uma eleição presidencial em junho.

Leia também: Líder supremo do Irã rejeita negociações diretas com EUA

Vice: Joe Biden levanta a possibilidade de negociações diretas entre EUA e Irã

Esse fato por si só torna difícil para qualquer autoridade fazer concessões às potências estrangeiras, especialmente uma que atenda aos inimigos do Irã, os Estados Unidos e Israel, que é amplamente considerado como a única potência nuclear do Oriente Médio.

“Em nome da nação iraniana, eu digo que quem pensa que a nação iraniana irá se render à pressão está cometendo um grande erro e levará o seu desejo para o túmulo”, disse o presidente Mahmoud Ahmadinejad nesta quinta-feira, de acordo com a televisão estatal.

Porém, enquanto as negociações não vão a lugar algum, o tempo da diplomacia está acabando.

O Irã está expandindo um estoque de urânio enriquecido a alto grau de 20%, cada vez mais perto dos níveis em que uma massa crítica de material em grau de armas ficaria a apenas um pequeno passo de distância — algo que Israel diz que seria uma “linha vermelha” para a ação.

Washington também advertiu, em termos menos diretos, que vai fazer o que for necessário para impedir que o Irã obtenha a bomba. No ano passado, os EUA estabeleceram um prazo de março para que o Irã começasse a cooperar com a investigação da AIEA, alertando Teerã que, caso contrário, poderia recorrer ao Conselho de Segurança da ONU.

Teerã diz que as informações de inteligência que apontam para a pesquisa de armas nucleares no Irã são forjadas e sem base.

Com Reuters