BESSA GRILL
Início » Internacionais » Indústria química no leste da Ucrânia tem enorme explosão

Indústria química no leste da Ucrânia tem enorme explosão

11/02/2015 00:34

 

Uma forte explosão abalou uma fábrica de produtos químicos perto da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia, onde os conflitos entre o governo do país e separatistas pró-russos voltaram a se acirrar.

Vítimas ou danos na grande explosão não foram imediatamente reportados. Rebeldes disseram que a fábrica foi atingida por bombardeios do governo, mas que o fogo foi apagado e já não representava perigo. O site russo de notícias RT.com informa que a explosão ocorreu tarde da noite de domingo – por volta das 22h50 (hora local)

Mais cedo nesta segunda (9), o porta-voz militar da Ucrânia, Vyacheslav Seleznyov, disse que nove soldados ucranianos foram mortos e 26 ficaram feridos em 24 horas de confronto. Ele afirmou que as forças do governo foram atacadas pelos rebeldes em cerca de 100 ocasiões distintas.

Moradores tentam salvar seus pertences em um prédio destruído após conflitos entre rebeldes pró-russos e forças ucranianas em Donetsk (Foto: Audrey Borodulin/AFP)

Moradores tentam salvar seus pertences em um prédio destruído após conflitos entre rebeldes pró-russos e forças ucranianas em Donetsk (Foto: Audrey Borodulin/AFP)

A violência se intensificou no último mês na Ucrânia, à medida que os rebeldes empreendem uma nova ofensiva.

Os militares da Ucrânia dizem que os confrontos têm sido especialmente intensos em torno da cidade de Debaltseve, uma importante junção rodoviária e ferroviária a nordeste da cidade de Donetsk.

Morte de civis
O chefe regional de polícia, Vyacheslav Abroskin, disse que sete civis foram mortos por bombardeios em Debaltseve e em outra cidade na linha de frente, Avdiivka, no domingo.

O presidente norte-americano Barack Obama afirmou nesta segunda que a Rússia violou o acordo com a Ucrânia e enviou mais tanques e artilharia para os rebeldes separatistas no leste ucraniano, em vez de se retirar do território vizinho.

Obama fez pronunciamento ao lado da premiê da Alemanha, Angela Merkel, após uma reunião entre os dois líderes na Casa Branca, em Washington.

Obama disse que as agressões russas reforçam a unidade internacional e defendeu uma solução diplomática para a crise na Ucrânia. Segundo o presidente, a possibilidade de uma solução militar sempre foi pequena, porque a Rússia é militarmente mais forte.

Além disso, Obama disse esperar que o prejuízo da Rússia com as sanções impostas se tornem alto o suficiente a ponto de o presidente russo, Vladimir Putin, preferir uma solução pela diplomacia. E acrescentou que os Estados Unidos podem aumentar as sanções à Rússia caso as conversas diplomáticas não sejam suficientes.

Uma mulher idosa se desespera após seu prédio ser atingido por um bombardeio nos arredores de Donetsk, no leste da Ucrânia (Foto: Maxim Shemetov/Reuters) Uma mulher idosa se desespera após seu prédio ser atingido por um bombardeio nos arredores de Donetsk, no leste da Ucrânia (Foto: Maxim Shemetov/Reuters)

Uma mulher idosa se desespera após seu prédio ser atingido por um bombardeio nos arredores de Donetsk, no leste da Ucrânia (Foto: Maxim Shemetov/Reuters)
Uma mulher idosa se desespera após seu prédio ser atingido por um bombardeio nos arredores de Donetsk, no leste da Ucrânia (Foto: Maxim Shemetov/Reuters)

Putin
O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou que Putin não aceitará nenhum ultimato nas negociações de paz sobre a crise na Ucrânia.

“Ninguém poderá jamais (…) falar ao presidente utilizando um tom de ultimato”, disse Peskov em uma entrevista à rádio Aqui Moscou.

Ele fez referência às informações da imprensa americana de que Angela Merkel teria ameaçado a Rússia com novas sanções, caso Putin rejeite a proposta de paz franco-alemã para o leste da Ucrânia.

 

 

 

 

·

Barack Obama e Angela Merkel fazem pronunciamento nesta segunda-feira (9) na Casa Branca após reunião em que discutiram crise na Ucrânia (Foto: REUTERS/Kevin Lamarque)

Barack Obama e Angela Merkel fazem pronunciamento nesta segunda-feira (9) na Casa Branca após reunião em que discutiram crise na Ucrânia (Foto: REUTERS/Kevin Lamarque)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

www.reporteriedoferreira.com Por G1