BESSA GRILL
Início » Internacionais » Greve geral na Argentina nesta terça afeta voos do Brasil

Greve geral na Argentina nesta terça afeta voos do Brasil

A TAM já cancelou os voos com destino e vindos de Córdoba, Rosário e Buenos Aires

30/03/2015 20:17

 

mundo-argentina-greve-sindicatosA Central de Trabalhadores da Argentina (CTA) e a Confederação-Geral do Trabalho (CGT) opositora, que concentra a maioria dos sindicatos da área de transportes, convocaram para esta terça-feira (31) uma greve-geral que deve afetar, inclusive, os voos internacionais.

Os sindicalistas querem que o governo corrija o limite de isenção do imposto sobre salários, que atualmente está em 15 mil pesos (R$ 5,5 mil, pelo câmbio oficial). Mas o ministro da Economia, Axel Kicillof, disse que o teto foi reajustado há dois anos e que está “muito bem do jeito que está”.

Siga Terra Notícias no Twitter

Esta é a quarta greve-geral convocada durante o governo da presidente Cristina Kirchner, que está no fim do segundo mandato. Em agosto, ocorrerão as prévias das eleições presidenciais de outubro e, pela lei, Cristina não pode se candidatar a um terceiro mandato consecutivo.

A partir de meia-noite desta segunda-feira (30), e durante 24 horas, bancos, ônibus, trens e caminhões deixarão de funcionar, mas outros serviços, como o transporte aéreo, já estão sendo afetados.

A TAM Linhas Aéreas já avisou, por meio de comunicado, que os voos com destino e vindos de Córdoba, Rosário e Buenos Aires – todos na Argentina – serão cancelados devido à paralisação.

Segundo a companhia aérea, os clientes cujos voos listados foram impactados poderão remarcar a data da viagem para os próximos 15 dias sem qualquer custo.

Há também a possibilidade de o passageiro realizar a mudança do destino, sem multas, sujeito às diferenças tarifárias correspondentes.

Aduaneiros argentinos fazem paralisação de 24 horas

O ministro do Trabalho, Carlos Tomada, criticou os sindicalistas responsáveis pela greve, alegando que representam apenas uma parte do setor de transportes e que estão fazendo reivindicações em nome da minoria (10%) dos trabalhadores que paga Imposto de Renda.

O líder da CTA, Pablo de Micheli, rebateu as críticas do ministro dizendo que os argentinos têm pelo menos  “20 razoes” para protestar (entre eles o alto índice de inflação) e ameaçou estender a greve para 36 horas, se não conseguir chegar a um acordo com o governo.

Em 2014, a Argentina registrou um índice inflação de 24%, segundo dados oficiais, e de 39%, de acordo com medições de institutos privados.

www.reporteriedoferreira.com   Agência Brasil