BESSA GRILL
Início » Internacionais » Com crise na Síria, EUA enviam quinto destróier ao Mediterrâneo

Com crise na Síria, EUA enviam quinto destróier ao Mediterrâneo

Países ocidentais planejam lançar um ataque contra Damasco. Rússia também está enviando dois navios de guerra para a região.

29/08/2013 20:34

A marinha americana enviou seu quinto destróier para o leste do Mediterrâneo, afirmou nesta quinta-feira à AFP uma fonte do departamento de Defesa, quando os países ocidentais planejam lançar um ataque contra a Síria.

“O ‘USS Stout’ está no Mediterrâneo e se dirige para o leste”, declarou o funcionário, que disse ainda que o navio foi enviado para substituir o “USS Mahan”. No entanto, os dois navios poderão ficar diante do litoral sírio por tempo indeterminado.

Os destróieres ‘USS Mahan’, ‘USS Ramage’, ‘USS Barry’ e ‘USS Gravely’ patrulham o oriente do Mediterrâneo, preparados para lançar mísseis Tomahawk caso o presidente americano, Barack Obama, decida atacar o regime de Bashar al-Assad.

A Marinha americana não revelou quantos mísseis Tomahawk estão em cada destróier, mas os analistas citam 45 mísseis.

Foto de 2005 mostra o destroier USS Stout se preparando para exercício (Foto: Marinha dos EUA/AFP)Foto de 2005 mostra o destroier USS Stout se preparando para exercício (Foto: Marinha dos EUA/AFP)

A fonte do Departamento de Defesa, que pediu anonimato, não informou quanto tempo o ‘USS Mahan’ ficará no Mediterrâneo antes de retornar ao porto base de Norfolk, na costa leste americana, que do qual zarpou no fim de 2012.

A Rússia também está enviando dois navios de guerra ao Mediterrâneo Oriental, disse a agência de notícias Interfax nesta quinta, enquanto potências ocidentais se preparam para uma ação militar na Síria em resposta ao suposto ataque com armas químicas na semana passada.

De acordo com a Interfax, uma fonte do comando das Forças Armadas disse que um cruzador de mísseis e um navio anti-submarino chegariam nos próximos dias ao Mediterrâneo por causa da “situação bem conhecida” — uma clara referência ao conflito na Síria.

G1