BESSA GRILL
Início » Internacionais » Aviação síria bombardeia redutos de rebeldes em Damasco

Aviação síria bombardeia redutos de rebeldes em Damasco

Informação é do Observatório Sírios dos Direitos Humanos. Pelo menos quatro povoados no entorno de Damasco foram atacados.

26/04/2013 07:22

Frame de vídeo mostra ataque em Daraya, na Síria. (Foto: Shaam News Network via AP video)Frame de vídeo mostra ataque em Daraya, na Síria. (Foto: Shaam News Network via AP video)

A aviação síria bombardeou nesta quinta-feira (25) vários redutos rebeldes perto da capitalDamasco, em cujo setor norte são registrados confrontos entre o exército e os rebeldes, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Um dia depois de derrubarem o minarete da Mesquita dos Omeyas em Aleppo, jóia histórica desta cidade do norte sírio, a violência aumentou em várias zonas do país.

A aviação também bombardeou os povoados de Idleb, província do Nordeste, a cidade rebelde de Raqa e de Hasakenorte, na região Norte, e Deraa, no Sul. Na véspera, o exército se apoderou da localidade estratégica de Otaybé que, segundo o OSDH, constitui uma porta de entrada para a localidade de Ghuta.

A aviação também atacou Muadamiya al Sham, no Sudeste da Síria, e a cidade de Daraya, que o exército tenta tomar há meses. Combates também foram regitrados em Barzé, bairro do norte de Damasco, e Maaret al Nooman, na província de Idleb.

Cidade de Hama
Fortes confrontos ocorreram pela primeira vez em meses na cidade de Hama, região central da Síria, nesta quinta-feira (24), à medida que os rebeldes tentam aliviar companheiros que estão sob ataque de forças do presidente Bashar al-Assad em outros lugares, disseram ativistas.

Eles disseram que pelo menos sete pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas com o início dos combates às 4h da manhã em Hama, um símbolo histórico da dissidência contra quatro décadas do governo da família Assad. A maioria das mortes relatadas foi de civis, disseram.

O pai de Assad, que governou a Síria por 30 anos até sua morte em 2000, esmagou uma revolta islâmica armada em Hama em 1982, matando milhares de pessoas e arrasando partes da cidade.

“A operação é uma tentativa de aliviar um pouco a pressão sobre os combatentes no campo de Hama, bem como nas províncias vizinhas”, disse um ativista chamado Safi al-Hamawi à Reuters via Skype. Mas ele questionou a utilidade da campanha, levantando preocupações de que pode não ser extensa o suficiente para ser efetiva.

Pelo menos cinco edifícios residenciais foram danificados no combate, de acordo com Hamawi. “Os moradores estão se escondendo em suas casas, ninguém está saindo. Os combates ainda estão intensos e em curso, por isso as pessoas têm muito medo de se deslocar”.

Arte entenda Síria 31/08 (Foto: Editoria de Arte / G1)