BESSA GRILL
Início » Internacionais » Argentina assume presidência do Mercosul, diz chanceler

Argentina assume presidência do Mercosul, diz chanceler

15/12/2016 03:24

 

Chanceler da Venezuela foi ao palácio onde ocorreu a reunião, mesmo após a suspensão de seu país.

Chanceleres do Mercosul se reunirão nesta quarta-feira (14) em Buenos Aires, na Argentina, para a 11ª Reunião Extraordinária do Conselho do bloco, em meio a fortes tensões com a Venezuela (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Chanceleres do Mercosul se reunirão nesta quarta-feira (14) em Buenos Aires, na Argentina, para a 11ª Reunião Extraordinária do Conselho do bloco, em meio a fortes tensões com a Venezuela (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

A Argentina assumiu nesta quarta-feira (14) a presidência rotativa do Mercosul em uma reunião extraordinária dos chanceleres do bloco em Buenos Aires, disse a ministra de Relações Exteriores argentina, Susana Malcorra.

“Assumimos a presidência pro tempore”, disse Malcorra em uma coletiva de imprensa no Palácio San Martin, sede da chancelaria argentina.

A reunião foi a primeira cúpula ministerial depois que, no dia 2 de dezembro, a Venezuela foi comunicada de seu afastamento do blocopor descumprir o Protocolo de Adesão. Antes disso, os países fundadores do bloco – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – tinham chegado a um acordo para impedir que a Venezuela assumisse a presidência, como mandava a regra, pelo mesmo motivo.

Susana Malcorra, chanceler da Argentina, em imagem de arquivo (Foto: EVARISTO SA / AFP)

Susana Malcorra, chanceler da Argentina, em imagem de arquivo (Foto: EVARISTO SA / AFP)

Apesar do afastamento de seu país, a chanceler venezuelana Delcy Rodríguez foi ao Palácio San Martin, onde foi realizada a reunião. “Esses presidentes (do bloco) insistem que a Venezuela não deve participar. Bem, vamos entrar pela janela, porque viemos aqui para defender os direitos da Venezuela e defender e fazer valer os direitos do Mercosul”, disse Rodríguez em uma breve coletiva de imprensa em frente ao Palácio.

A Venezuela diz que esse afastamento é ilegal, já que, segundo o governo liderado por Nicolás Maduro, o país incorporou 1.479 normas do Mercosul à sua legislação interna, o que equivale a 95% das leis que os Estados devem cumprir para aderirem ao bloco.

A chanceler venezuelana Delcy Rodriguez chega nesta quarta-feira (14) ao Palácio San Martin, em Buenos Aires (Foto: EITAN ABRAMOVICH / AFP)

A chanceler venezuelana Delcy Rodriguez chega nesta quarta-feira (14) ao Palácio San Martin, em Buenos Aires (Foto: EITAN ABRAMOVICH / AFP)

Dadas as tensões, neste ano não haverá a tradicional cúpula de presidentes, que normalmente faz parte do programa de trabalho do Mercosul para dezembro.

A reunião extraordinária do Conselho do Mercado Comum em Buenos Aires foi convocada para debater a delicada situação regional criada pela crise interna na Venezuela e a iniciativa de avançar em um acordo comercial com a União Europeia.

www.reporteriedoferreira.com Por G1