BESSA GRILL
Início » Nacionais » Supremo rejeita ação contra impeachment baseada no mesmo argumento de Maranhão

Supremo rejeita ação contra impeachment baseada no mesmo argumento de Maranhão

Ministro Luiz Fux negou mandado de segurança apresentado por petista que questionava orientação de votos dos partidos

9/05/2016 22:33
O ministro Luiz Fux: seu despacho ocorreu antes da decisão do presidente interino da Câmara
STF/Divulgação

O ministro Luiz Fux: seu despacho ocorreu antes da decisão do presidente interino da Câmara

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux negou um mandado de segurança do governo federal que pedia a anulação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff com base no mesmo argumento adotado nesta segunda-feira (9) pelo presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), para suspender as sessões de votação na Casa que deram seguimento à denúncia contra a petista.

Na ação, apresentada na semana passada, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) questionava o fato de líderes partidários terem encaminhado os votos da bancada durante a votação na Câmara. Segundo ele, a orientação de votos é proibida pela Lei do Impeachment de 1950 e teria “violentado o direito dos parlamentares à liberdade do juízo subjetivo de apreciação”.

Na decisão, Fux destacou que não cabe ao Supremo decidir sobre uma questão interna da Câmara. “Resta claro que o ato praticado pelo impetrado, diante da situação fática descrita pelo impetrante, envolveu a interpretação de dispositivos regimental e legal, restringindo-se a matéria ao âmbito de discussão da Câmara dos Deputados”, escreveu o ministro.

Apesar de ter sido rejeitado por Fux, o argumento sobre ilegalidade da orientação dos votos pelos líderes partidários às suas bancadas durante a votação do impeachment justificou a decisão do presidente interino da Câmara nesta segunda. O despacho de Fux saiu na sexta-feira, antes da anulação de Maranhão, mas só entrou no andamento do sistema interno do Supremo nesta segunda-feira.

A medida de Maranhão também sustentava o impedimento de os deputados anunciarem seus votos publicamente antes da sessão. Com a decisão, a leitura do parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) no plenário do Senado, se tornou alvo de debates.

www.reporteriedoferreira.com  Por Estadão