BESSA GRILL
Início » Nacionais » Líder de caminhoneiros cobra reajuste de 30% a 35% na tabela de frete

Líder de caminhoneiros cobra reajuste de 30% a 35% na tabela de frete

23/07/2019 00:40

A suspensão da nova tabela de valor mínimo do frete elaborada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres ( ANTT ) é positiva, mas não resolve a  insatisfação  dos caminhoneiros , segundo Wanderlei Alves, conhecido como “Dedeco”, uma das lideranças da categoria.

No fim de semana, já  circulava a informação de que o governo pretendia cancelar a nova tabela de frete  , que entrou em vigor no sábado (20).

Segundo “Dedeco”, é preciso que os valores que constam da tabela, suspensa nesta segunda-feira (22), sejam acrescidos de um percentual entre 30% e 35% para que os caminhoneiros sejam minimamente remunerados.

Essa questão será discutida na próxima quarta-feira com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas . Na última sexta-feira, diante da possibilidade de uma nova paralisação dos caminhoneiros,  Tarcísio de Freitas já havia informado que iria receber lideranças dos caminhoneiros nesta semana.

Nesta segunda, foram registradas paralisações  de caminhoneiros na rodovia BR-116, em Governador Valadares (MG), e em rodovias de estados do Nordeste, como Pernambuco, Ceará e Paraíba, de acordo com informações da liderança.

“Já sabíamos que a nova tabela seria suspensa. Agora, é preciso discutir os novos valores, já que os atuais só preveem o custo dos caminhoneiros.  É preciso acrescentar percentuais entre 30% e 35% para que os caminhoneiros tenham uma remuneração mínima”, explicou “Dedeco”.

Segundo ele, a tabela elaborada pela Esalq-LOg não considerou a remuneração do caminhoneiro. “Isso não foi levado em conta pela Esalq-Log, que elaborou os valores. A categoria está revoltada e nesta segunda (22) houve paralisações em rodoviais. Meu medo é que, até quarta-feira, esse movimento cresça” disse “Dedeco” em entrevista ao Jornal O Globo.

O representante da categoria afirmou que, embora tenha havido uma audiência pública para que os valores do frete mínimo fossem discutidos, ele pessoalmente não participou das conversas. Segundo ele, a Esalq já tinha os valores pré-estabelecidos e, na avaliação dos caminhoneiros, eles não iriam satisfazer os anseios da categoria.

Ministro pego de surpresa

Ele afirma que o próprio ministro Tarcísio Freitas foi pego de surpresa pelos valores da resolução e, por isso, decidiu suspender a nova tabela e reabrir diálogo com a categoria. Dedeco afirmou que a linha do BNDES anunciada pelo governo no início do ano, e que prevê crédito aos caminhoneiros para manutenção dos veículos, ainda não entrou em vigor.

“Não saiu nada ainda. A linha prevê cobertura de custos de manutenção com os veículos. Mas os valores máximos oferecidos não são suficientes. A linha prevê no máximo R$ 30 mil. No mês passado, eu gastei R$ 56 mil para retificar o motor”, declarou “Dedeco”.

Outra reivindicação da categoria é a criação de um documento chamado de Código Identificador de Operação de Transporte (Ciot). Uma parte dos caminhoneiros avalia que a emissão desse documento vai permitir que o governo fiscalize as transportadoras que estiverem pagando valores de frete abaixo do mínimo. Mas “Dedeco” discorda dessa medida.

“Não acho que a fiscalização deva ficar com o governo. Em nenhum lugar do mundo isso acontece. É o próprio caminhoneiro que deve denunciar a empresa que não estiver pagando o mínimo. É simples”, explicou.

Segundo ele, vários grupos de WhatssApp foram criados e neles é fácil perceber o descontentamento da categoria com os valores da tabela de frete publicada na semana passada. “As poucas paralisações em rodovias nesta segunda-feira são um sinal de que a categoria está revoltada”, avalia Dedeco.

www.reporteriedoferreira.com.br Por ig