BESSA GRILL
Início » Nacionais » Comandante da PM é exonerado do cargo

Comandante da PM é exonerado do cargo

'Mudanças fazem parte do processo de gestão', diz Beltrame

5/08/2013 22:14

Rio – Após uma longa conversa na Secretaria de Segurança, o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, foi exonerado do cargo, na tarde dessa segunda-feira, pelo secretário de Estado de Segurança José Mariano Beltrame. O secretário está avaliando o nome do sucessor do coronel Erir Costa Filho no comando da corporação.

“Mudanças fazem parte do processo de gestão e devem ser vistas com naturalidade”, disse o secretário de Segurança, que destacou o empenho do coronel Costa Filho no período de 1 ano e 10 meses à frente da PMERJ.

“Quero ressaltar o trabalho e a integridade do comandante Costa Filho, além de seu amor à corporação que comandou”, destacou o secretário José Mariano Beltrame.

Decisões do coronel Erir Ribeiro teriam desagradado Beltrame

Foto:  Carlo Wrede / Agência O Dia

Beltrame diz que pode rever anistia dada a policiais

Neste domingo, José Mariano Beltrame declarou, durante coletiva de imprensa no 15º BPM (Duque de Caxias), que a decisão do então comandante-geral da PM, coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, de anistiar policiais que cometeram delitos de “menor potencial ofensivo” desde 4 de outubro 2011 pode ser revogada.

“Eu não gostei da maneira como foi apresentado. Vou cobrar esclarecimentos dele, porque precisamos explicar melhor para a sociedade o que são esses pequenos delitos. A polícia deve trabalhar com transparência”, disse Beltrame. O secretário de Segurança afirmou também que não sabia da decisão, e que foi pego de surpresa.

A PM havia informado no sábado, em nota, que a anistia dada pelo comandante-geral da corporação abrange os policiais que tiveram punição administrativa, aplicada em casos de atraso, faltas ou ausências não justificadas.

Fichas

De acordo com a corregedoria da Polícia Militar, a decisão do coronel Erir livra os policiais das penas, mas suas fichas continuam com as infrações registradas. Para retirar as anotações, é necessário entrar com recurso e ter o seu deferimento.

Diante da repercussão em torno da anistia, integrantes da cúpula da PM já cogitam a queda do comandante-geral. Questionado sobre a possível exoneração do coronel Erir, Beltrame disse que primeiro vai cobrar esclarecimentos dele para poder explicar melhor a sociedade em que circunstâncias essa decisão foi tomada, mas que não faria nenhum “juízo de valor”.

A decisão foi publicada no Boletim Reservado do dia 1º de agosto, e os policiais que estavam detidos podem retornar às ruas. A PM não informou o número de militares beneficiados. A anistia não limpa as fichas funcionais de cada militar, o que impede promoções na carreira, onde conduta exemplar é um dos pré-requisitos.

O Dia