BESSA GRILL
Início » Maçonaria » Maçonaria: O Aprendiz

Maçonaria: O Aprendiz

24/07/2019 21:07

O Aprendiz

Em todos os sistemas e Ritos da Maçonaria Simbólica Universal, denomina-se “Aprendiz” o Iniciado nos seculares segredos dessa Ordem. O termo foi tirado da Maçonaria Operativa, na qual o Aprendiz ocupava o lugar mais inferior da escala entre os operários. A Maçonaria Especulativa, que sucedeu à Maçonaria Operativa, ocupa não mais com a arte de construção, mas com a moral, com o Simbolismo e Rituais, adotou os Usos, Costumes e Regulamentos bem como os instrumentos da antiga modalidade. Através da adoção de todos os elementos da Maçonaria Operativa, a Maçonaria Especulativa estabeleceu o seu próprio sistema de organização e de moralidade.

O que representa o homem quando é apresentado aos primeiros elementos da Maçonaria, o Aprendiz, portanto? Representa o ser humano nos primeiros passos da civilização, na sua infância cultural, tentando sair da escuridão, da ignorância. Assim são deveres do Aprendiz a luta contra os inimigos naturais do homem – as paixões, o estudo das leis, usos e costumes da Maçonaria através do seu trabalho simbólico em desbastar a Pedra Bruta desde o meio-dia até a meia-noite, o combate contra a mentira, o fanatismo, a ambição e a ignorância. O Aprendiz deve lutar arduamente pela vitória da luz sobre as trevas, da honra sobre a perfídia, da verdade sobre a hipocrisia.

O Aprendiz, em Loja, deve permanecer em absoluto silêncio, em atitude de respeito e meditação, sempre procurando tirar o máximo de proveito de cada ensinamento vindo do Oriente. O Aprendiz deve saber esperar a concessão da palavra e saber usá-la com sabedoria. O Sinal de Ordem, ao falar, deve lembrar ao Maçom que precisa dominar a exteriorização de seus pensamentos.

O trabalho em Loja sempre é iniciado ao “meio-dia” porque esta hora faz alusão ao período da vida em que o homem estaria capacitado a trabalhar pelo semelhante. Antes do meio-dia o homem vive a fase de Aprendizado sobre os mistérios da existência. Ao meio-dia começa o seu trabalho. A morte, o fim, o encerramento dos trabalhos chega com as doze badaladas da noite.

Enquanto o Aprendiz, o Maçom recebe a revelação do que representa o trabalho da Maçonaria, e aprende que para ser digno e capaz de desempenhar suas funções como legítimo Maçom precisará libertar e purificar o seu coração. Apa-gar antigos rancores, superstições, ódios e equívocos históricos e filosóficos.

Nessa fase diz-se que a Pedra Bruta começa a ser desbastada, ou seja, todos os maus costumes são abandonados juntamente com os preconceitos e paixões que enchem o nosso mundo profano. Para o trabalho de desbastar a Pedra Bruta, o Aprendiz recebe as suas ferramentas especiais: o Cinzel para tirar as asperezas da pedra, que equivale à faculdade de pensar com retidão. O Cinzel é impulsionado pelo Maço ao ser aplicado sobre a Pedra Bruta. É sempre seguro com a mão esquerda – o lado passivo – que corresponde à receptividade intelectual e o discernimento especulativo. O Cinzel produz a beleza final da obra e realiza os ornamentos e adornos ao mesmo tempo em que dá vida às figuras. Representa ainda o senso crítico para afastar o supérfluo e corrigir o erro sob os golpes do Maço. A outra ferramenta que o Aprendiz recebe é o Maço – ou Malho – instrumento de madeira com cabo, usado pelos carpinteiros e escultores. Simboliza a força dirigida e controlada. Representa a aplicação da força em determinado ponto; representa a vontade ativa e a perseverança do Aprendiz. O Maço direciona a energia necessária para dar forma ao trabalho.

Além do Cinzel e do Maço, o Aprendiz recebe ainda o Avental, sempre presente no traje maçônico. Esta peça tem a forma quadrada com uma abeta triangular voltada para cima, simbolizando a sua falta de conhecimento do ofício. A cor é branca para traduzir a inocência do Aprendiz. Uma vez trajando o seu Avental, o Aprendiz não é mais aquela pessoa de antes. Tem agora gestos solenes, postura serena porém disciplinada, e suas palavras, estando à ordem devem ser calmas e cuidadosamente pronunciadas ao defender suas idéias e posicionamentos.

Em Loja um Aprendiz ocupará a Coluna do Norte ou o Setentrião que é a Coluna destinada aos que ainda “receberam mui fraca luz”, e ainda não compreendem os simbolismos e as mensagens do Oriente. Ali o Aprendiz desenvolverá seus Trabalhos recebendo Toques, Gestos e Palavras secretos e outros ensinamentos básicos para um Maçom, esperando pela oportunidade em que receberá um Aumento de Salário. O pagamento do trabalho dos Aprendizes e Companheiros é feito pelos Vigilantes. Pagar em linguagem maçônica quer dizer ensinar, satisfazer a vontade por conhecimento, fazer justiça. É através de um aumento de salário que os Aprendizes e Companheiros são recompensados, isto é, pela promoção ou Elevação a um Grau superior. Tanto o Cinzel como o Maço, tanto o Avental como o pagamento e o aumento de salário são Símbolos retirados da Maçonaria Operativa.

O Aprendiz não deve deixar que tanta riqueza em Simbolismo e tantas informaçõe