BESSA GRILL
Início » Maçonaria » EVOLUIR: Escrito por Ir.’. NILTON LUIZ DA SILVA.

EVOLUIR: Escrito por Ir.’. NILTON LUIZ DA SILVA.

28/05/2014 18:35

EVOLUIR: Escrito por Ir.’. NILTON LUIZ DA SILVA.

Tudo o que vou lhes dizer tem a ver com o que estamos fazendo aqui.

Muito tenho para lhes falar, se quiserdes ouvir. E muito tenho para ouvir, se quiserdes falar.

Temos tanto a dialogar que não cabe na sessão de hoje _ e, certamente, não cabe no tempo de nossas vidas.

Necessitamos viver novamente para prosseguir nossos diálogos no caminho do aperfeiçoamento. Portanto o tempo que vou ocupar agora é muito minúsculo.

A vida não é só este pedacinho, ou as vidas não são só estes pedacinhos, de tempo no planeta terra…

Ser maçom é buscar compreender o “espírito da doutrina.

Devemos observar o Landmark: _ A Livre investigação da verdade…

Na Câmara de Reflexões _ … morte e vida … uma necessidade à evolução.

Loja de Mestre _ … Hiram Abib … morte e vida … uma necessidade à evolução.

Fazer tudo certo, não temos capacidade para isto, por maior que seja o nosso esforço estaremos sempre cometendo erros.

Quando recebemos, cada um, a proposta para ingressar na Maçonaria nos foi perguntado se cremos num Ente Supremo, que é Deus, respondemos que sim. Também nos foi perguntado se cremos numa vida após a morte, respondemos que sim.

No dia de nossas iniciações nos fizeram as mesmas perguntas e respondemos que sim.

Agora, se vos pergunto novamente, crês num Ente Supremo, que é Deus, crês numa vida após a morte, todos responderão que sim.

Somente a matéria torna-se obsoleta ou ultrapassada, os fatos nunca.

Autor: Ir.’. NILTON LUIZ DA SILVA – M.’. M.’.

Do Livro: DEPOIS DA MORTE – de LEON DENIS – 7ª Edição 1946 – Livraria Editora da Federação Espírita Brasileira.

Para regular o nosso adiantamento, preparar o nosso futuro, nos fortificamos ou nos rebaixamos, é bastante fazer uso da vontade. Não há acesso nem fatalidade, mas sim forças e leis. Utilizar, governar uma, observar outras, eis o segredo de toda a grandeza e elevação. Os resultados produzidos entre nós pela vontade, perturbam a imaginação dos mundanos e provocam a admiração dos sábios. Tudo isto é, entretanto, pouca coisa ao lado dos efeitos obtidos nesses meios superiores em que, por determinação do Espírito, todas as forças se combinaram e entram em ação. E se, nessa ordem d idéias, elevássemos ainda mais o nosso pensamento, não chegaríamos, por analogia, a entrever com a vontade divina, atuando sobre a matéria cósmica, pode formar sóis, traçar as órbitas dos mundos, criar universos? (Eis uma prova da existência de Deus).

Sim, tudo pode a vontade exercida no sentido do bem e de acordo com as leis naturais. Muito também pode para o mal. Nossos maus pensamentos, nossos desejos impuros, nossos atos culpáveis, são corruptores, porque, todos os organismos sofrendo a influência dos fluidos ambientes, o contato de uns com os outros faz o mal-estar e produz impressões maléficas sobre o nosso próximo. Do mesmo modo, sentimentos de ordem elevada, pensamentos de amor, exortação calorosa, vão penetrar os seres que nos cercam, sustentá-los e vivificá-los. Assim se explica o império exercido sobre as multidões pelos grandes missionários e pelas almas eminentes. Embora os maus também assim possam exercer a sua influência funesta, contudo podemos sempre conjurar esta por volições em sentido inverso e por resistência enérgica da vossa vontade.

Aquele que não age, que se deixa levar pelas influências materiais, fica débil e incapaz de perceber as sensações delicadas da vida espiritual. Achar-se-á em uma inércia completa depois da morte, e as perspectivas do espaço não oferecem a seus sentidos velados senão a obscuridade e o vácuo. Aquele que é ativo, preocupado em exercer suas faculdades por um uso constante, adquire forças novas; sua vista abrange horizontes mais vastos, o círculo de suas relações alarga-se gradualmente.

O pensamento, utilizado como força magnética, poderia reparar bastante desordens, destruir muitas chagas sociais. Projetando resoluta e frequentemente nossa vontade sobre os perversos, sobre os desgarrados, poderíamos consolar, convencer, aliviar, curar. Por esse exercício se obteriam não só resultados extraordinários para o melhoramento da espécie, mas também se poderia dar ao pensamento uma acuidade, uma força de penetração incalculáveis.

Reconhecemos a força, agrupa-se as vontades esparsas em um feixe comum a fim de as convergir para o bem, para o belo, para o verdadeiro, nesse dia a humanidade avançará ousadamente para as culminâncias eternas, e a face do mundo será renovada.

Os suicidas, por exemplo, são vítimas de sensações horríveis; experimentam durante anos, as angústias do último momento e reconhecem, com espanto, que não trocaram seus sofrimentos terrestres senão por outros ainda mais vivazes. Todo aquele que comete crimes ou qualquer mal menos grave e que ao longo da vida permanece no anonimato, julga escapar impune; depois da morte surpreende-se por ter repará-los, cada um conforme seu peso e sua medida.

Enquanto as almas desprendidas das influências terrenas se constituem em grupos simpáticos, cujos membros se amam, se compreendem, vivem em perfeita igualdade, em completa felicidade, os espíritos que ainda não puderam domar as suas paixões passam uma vida errante, desordenada e que, sem lhes trazer sofrimentos, os deixam, contudo, mergulhados na incerteza e na inquietação. É isso o que se chama erraticidade; é a condição da maioria dos espíritos que vivem na terra, nem bons nem maus, porém ainda fracos e muito inclinados às coisas materiais.

Para distrair-se dos cuidados, das preocupações morais, o homem tem o trabalho, o estudo, o sono. Para o espírito não há mais esses recursos. Desprendido dos laços corporais, acha-se incessantemente em face do quadro fiel e vivo do seu passado. Assim, os amargores e pesares contínuos que então decorrem lhe despertam, na maior parte dos casos, o desejo de tornar em breve um corpo carnal para combater, sofrer e resgatar esse passado acusador.

Qualquer que seja se adiantamento, o espírito que acaba de deixar a terra não pode aspirar a viver indefinidamente uma vida superior. Adstrito à reencarnação, essa vida não é para si senão um tempo de repouso, uma compensação aos seus males, uma recompensa aos seus méritos. Apenas aí vai retemperar-se e fortificar-se para as lutas futuras. Porém nas vidas que o esperam não terá mais as angústias e os cuidados da existência terrestre. O espírito elevado é destinado a renascer em planetas mais bem dotados que o nosso. A escala grandiosa dos mundos tem inúmeros degraus, dispostos para a ascenção progressiva das almas, que os devem transpor cada um por sua vez.

A existência aí se passa no estudo, na participação das obras de uma civilização aperfeiçoada, tendo por base a mais pura moral, o respeito aos direitos de todos, a amizade e a fraternidade.

Chegará afinal um dia em que o espírito, depois de haver percorrido o ciclo de suas existências terrestres, depois de haver, através dos mundos, se purificado por seus renascimentos e emigrações, vê terminar a série de suas encarnações e abrir-se a vida espiritual, definitivamente, a verdadeira vida da alma, donde o mal, as trevas e o erro estão banidos para sempre. A calma a serenidade e a segurança profunda substituem os desgostos e as inquietações de outrora. A alma chegou ao término de suas provações, não mais terá sofrimentos. Com que emoção rememora os fatos de sua vida, esparsos na sucessão dos tempos, sua longa ascenção, a conquista de seus méritos e de sua elevação. Que ensinamento nessa marcha grandiosa, no percurso da qual se constitui e se afirma a unidade de sua natureza, de sua personalidade imortal.

Depois, vai estudar, admirar, glorificar a obra infinita, aprofunda ainda os mistérios divinos; vai reconhecer por toda a parte a beleza e a bondade celestes; identificar-se e saciar-se com elas; acompanhar os gênios superiores em seus trabalhos, em suas missões; compreender que chegará um dia a igualá-los; que subirá ainda mais e que a esperam, sempre e sempre, novas alegrias, novos trabalhos, novos progressos; tal é a vida eterna, magnífica, a vida do espírito purificado pelo sofrimento.

Conclusão _ uma das muitas possíveis:

O autor do livro o escreveu baseado em estudos concretos. Mesmo que em vários momentos ele tenha descrito apenas sonhos, trata-se de fatos reais que todos, os que tem vontade de um evoluir correto, almejam.

A formação da personalidade, do caráter e da moral, pode ser agora, pois eternamente teremos recordações disto. Todos nós devemos nos empenhar por uma vida de atitudes que proporcionem contribuir para o progresso bom em cada um de nós e para o bem de todos.

Devemos até a nossa hora final haver conquistado o mérito do “aumento de salário” para que possamos galgar mais um degrau, não mais necessitando voltar a viver na terra, indo, assim, para um mundo mais evoluído. E assim por diante, até igualar-se aos gênios superiores, onde se exercerá a magnitude de um ser, só então, justo e perfeito.

“Do Livro _ fragmentos das páginas: 214, 218, 222, 223, 224, 225, 228, 229, 232, 234 e 235.)

Nilson Luiz da Silva
M.’. M.’.
(IRIBARREM BLUMBERG)