BESSA GRILL
Início » Esportes » Havelange e Teixeira receberam até R$ 43 milhões em suborno

Havelange e Teixeira receberam até R$ 43 milhões em suborno

Documentos divulgados por Justiça Suíça mostram que ex-dirigentes ganharam comissões de extinta agência de marketing parceira da Fifa

11/07/2012 21:01

A Justiça da Suíça divulgou nesta quarta-feira documentos que mostram o pagamento de 100 milhões de francos suíços a dirigentes de futebol pela agência de marketing ISL, parceira da Fifa até declarar falência há 11 anos. João Havelange e Ricardo Teixeira, ex-presidentes da Fifa e CBF, respectivamente, são identificados no documento como dois dirigentes que receberam comissões consideradas ilegais pela justiça do paÍs.

Havelange, que comandou a entidade máxima do futebol mundial entre 1974 e 1998, recebeu pagamento de 1,5 milhão de francos suíços (R$ 3,1 milhões) em março de 1997. Teixeira, ex-genro de Havelange e que presidiu a CBF de 1989 até renunciar em março deste ano, recebeu 12,7 milhões de francos suíços (R$ 26,4 milhões na cotação atual) entre 1992 e 1997, de acordo com os documentos.

O relatório revela detalhes de um caso analisado pela Justiça suíça em processo aberto pelo Tribunal do cantão de Zug, na Suíça, por gestão fraudulenta, o que foi a raiz de uma denúncia da Fifa contra a empresa suíça ISL. Essa é a primeira vez que os dois dirigentes tiveram seus nomes oficialmente divulgados por envolvimento no escândalo.

Os diferentes pagamentos contabilizados pela investigação foram descobertos em contas pessoais dos dois ex-dirigentes ou de empresas vinculadas a eles.

O documento, de 41 páginas, foi assinado pelo procurador Thomas Hildenbrand e trouxe palavras duras sobre os dirigentes brasileiros. As acusações criminais contra Havelange e Teixeira foram arquivadas depois que ambos fizeram um acordo de compensação financeira de 6,1 milhões de francos suíços (R$ 12,65 milhões).

Procurado pela reportagem do GLOBOESPORTE.COM, o advogado de Ricardo Teixeira, José Mauro do Couto, disse, por intermédio de sua secretaria, que não falará sobre o assunto, uma vez que não comenta publicamente os casos de seus clientes.

Fifa parabeniza Justiça Suíça

Em nota oficial (confira abaixo na íntegra), a Fifa disse estar satisfeita com a divulgação dos documentos, lembrando que a ideia de torná-los públicos foi uma ideia do presidente da entidade, Joseph Blatter, em outubro do ano passado após uma reunião do comitê executivo da entidade.

“A FIFA recebeu com satisfação a sentença anunciada hoje pelo Tribunal Federal Suíço, a qual permite a publicação da ordem de arquivamento do caso ISL por parte da Promotoria de Zug.
A sentença está em conformidade com o que a FIFA e o seu presidente vêm defendendo desde 2011, quando a entidade máxima do futebol mundial anunciou o compromisso com a publicação da ordem de arquivamento do caso ISL. O anúncio fez parte de um processo de reformas iniciado no Congresso da FIFA em junho de 2011, cujo plano de ação foi aprovado pelo Comitê Executivo da FIFA em 21 de outubro do mesmo ano.

A decisão do Tribunal Federal Suíço também confirma que apenas duas autoridades estrangeiras serão mencionadas no processo e que, conforme previamente comunicado pela Promotoria de Zug em junho de 2010, o presidente da FIFA não está envolvido no caso (“nenhum cidadão suíço envolvido”). Na sua sentença, o tribunal afirma na página 3, ponto B.1.4, que “os nomes de vários terceiros não acusados, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, não serão divulgados e permanecerão anônimos na ordem de arquivamento, à exceção dos nomes ISMM/ISL”.

Conforme confirmado pelo próprio órgão suíço na decisão de hoje, a FIFA não teve participação no processo de recurso que tramitou no tribunal.”

 

 

Por GLOBOESPORTE.COMZurique, Suíça