BESSA GRILL
Início » Esportes » Polícia boliviana indicia 12 torcedores corintianos detidos por morte na Libertadores

Polícia boliviana indicia 12 torcedores corintianos detidos por morte na Libertadores

22/02/2013 01:25


A polícia boliviana afirmou que há suficientes indícios da participação dos 12 torcedores corintianos detidos no país no incidente que levou à morte por sinalizador do torcedor local Kevin Douglas Beltran Espada, 14, durante o jogo entre Corinthians e San José de Oruro, pela Libertadores. Por isso, eles foram indiciados por homicídio. A informação é da fiscal investigativa do Ministério Público, Abigail Saba, responsável pela apuração do caso, em entrevista ao UOL Esporte.

Um sinalizador foi disparado no primeiro tempo da partida em Oruro, logo após o gol de Paolo Guerrero para o Corinthians. O artefato acertou um olho de Espada, que estava na torcida do San Jose. Ele teve perda de massa encefálica e, segundo os médicos, morreu imediatamente.

“Todos serão imputados por homicídio”, afirmou Saba. “Há suficientes provas do envolvimento dos 12”, completou ela. Só que dois torcedores estão indiciados por suposta autoria do crime, por portarem sinalizadores iguais aos que atingiram o adolescente, e outros dez por cumplicidade no incidente.

A lista de torcedores indiciados é: Leandro Silva de Oliveira, de 21 anos, Tadeu Macedo Andrade, de 30 anos, Reinaldo Coelho, de 35 anos, José Carlos da Silva Junior, de 20 anos, Marco Aurélio Nefeire, de 31 anos, Daniel Silva de Oliveira, de 27 anos, Hugo Nonato, de 27 anos, Clever Souza Clous, de 21 anos, Cleuter Barreto Barros, de 24 anos, Fábio Neves Domingos, de 32 anos, Rafael Machado Castilho Araújo, de 18 anos, e Tiago Aurélio dos Santos Ferreira, de 27 anos

A investigadora qualificou como especulação as informações sobre a participação de torcedores que viajaram para o Brasil. “O resto são especulações, sem documentação, que podem ser falsificações e é temerário divulgar.”

O indício mais evidente da participação dos brasileiros apresentado pela polícia é que a autópsia feita no corpo de Espada demonstrou que o sinalizador utilizado é brasileiro, segundo a polícia. O artefato não é vendido na Bolívia. E, além disso, os sinalizadores encontrados com dois dos torcedores detidos têm cápsulas iguais a que foi disparada contra o adolescente boliviano.

Os sinalizadores são proibidos nos estádios bolivianos. Até agora, a polícia local tem negado que houve falha na fiscalização. Mas fato é que nove deles foram encontrados nas mãos dos torcedores brasileiros detidos no estádio. A polícia local só reagiu após ver que o disparo tinha atingido o adolescente. Então, certou corintianos na arquibancada e os deteve.

A investigadora Abigail Saba disse que, confirmada a responsabilidade dos torcedores, quem foi o autor do disparo irá responder por homicídio judicialmente. “É assim previsto pela lei da Bolívia”, contou. Só posteriormente haverá uma qualificação do homicídio, ou seja, se houve intenção de matar. Na Bolívia, isso pode gerar prisão de cinco a 20 anos.

“Mas, por enquanto, esse torcedores são inocentes perante à Justiça Bolívia. Por enquanto, o que há é uma investigação preliminar, em que há indícios”, ressaltou Saba.

A polícia ainda espera resultados da perícia para determinar se havia pólvora nas mãos dos 12 torcedores que estão em Oruro. Esse resultado só deve sair em 15 dias. Após a notícia do indiciamento, os torcedores foram transferidos para um centro de detenção.

Representantes do Ministério das Relações Exteriores acompanham os brasileiros em Oruro para fiscalizar se não há maus tratos, o que não ocorreu até agora. A expectativa de diplomatas brasileiros era de que até seis torcedores poderiam ser soltos ainda ontem, o que não se confirmou com o indiciamento dos corintianos. Há um advogado boliviano indicado para a defesa dos corintianos.

O time do Corinthians já chegou ao Brasil na manhã desta quinta-feira, após ser escoltado na Bolívia por policiais locais antes de deixar o país. O Tribunal Disciplinar da Conmebol vai decidir as responsabilidades sobre o caso e possíveis punições ao Corinthians.

Do uol.