BESSA GRILL
Início » Esportes » Na véspera de completar 85 anos, Zagallo é internado no Rio de Janeiro

Na véspera de completar 85 anos, Zagallo é internado no Rio de Janeiro

8/08/2016 23:09

zagalloUm dia antes de completar 85 anos, o ex-treinador e jogador da seleção brasileira Zagallo foi internado nesta segunda-feira no hospital Barra D’Or, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. A assessoria de imprensa do local confirmou a informação, mas não deu detalhes sobre o estado do Velho Lobo: “A direção do Hospital Barra D’Or informa que Mário Jorge Lobo Zagallo encontra-se internado, recebendo assistência médica”.

Em entrevista no início desta noite, Cesar Zagallo, filho do tetracampeão mundial, informou que, com sinais de fraqueza, o pai foi encaminhado para o hospital para receber soro e aproveitar para passar por uma bateria de exames. A assessoria de imprensa do Barra D’Or espera atualização do quadro na terça-feira.

Na última quinta, Zagallo participou do revezamento da tocha olímpica no Rio de Janeiro. Muito debilitado, e em uma cadeira de rodas, ele recebeu a tocha das mãos do amigo Carlos Alberto Parreira e foi conduzido pelo seu filho Cesar, em uma imagem que rodou o mundo e causou bastante comoção.Antes do revezamento da tocha olímpica, o Velho Lobo tinha passado por uma internação no mesmo hospital para tratar de um problema no estômago, de acordo com informações do blog Extracampo, do jornal “Extra”. Segundo a publicação, Zagallo ficou 15 dias internado e passou a se alimentar por uma sonda em casa, com o auxílio de uma equipe médica.

Após carregar a tocha, o Velho Lobo ainda encontrou forças para fazer uma breve análise sobre as chances de a seleção brasileira conquistar a inédita medalha de ouro, único feito que o Brasil ainda não conseguiu no futebol.

– Tem que ser, né? Uma hora tem que chegar – disse Zagallo, demonstrando a confiança de sempre na seleção brasileira.

Zagallo nunca escondeu a frustração por não ter conquistado o ouro olímpico como técnico da Seleção Brasileira. A derrota para a Nigéria por 4 a 3 na “morte súbita” da semifinal de Atlanta, em 1996, continua viva na memória do ex-treinador de 84 anos. Mesmo assim, ele afirmou que a dor pode ser amenizada, caso o Brasil suba ao lugar mais alto do pódio no Rio de Janeiro:

– Se ganhar o ouro agora, para mim seria como se eu estivesse ganhando junto. Ajudaria a tirar um pouco a lembrança daquela derrota, que ainda está engasgada. Tive a felicidade de ganhar um bronze, mas não era o que eu queria.

www.reporteriedoferreira.com G1